Capello fala de festas regadas a álcool no Real Madrid, mas Van Nistelrooy rebate

Técnico diz que Ronaldo era quem organizava as festas e atribuiu frase a Van Nistelrooy que o holandês nega ter dito

O técnico Fabio Capello sempre foi conhecido por ser um disciplinador e ganhou a sua fama pelo ótimo trabalho que fez no Milan, depois que assumiu a batuta de Arrigo Sacchi, em 1991. Passou duas vezes pelo Real Madrid, na temporada 1996/97 e uma segunda vez na temporada 2006/07. Nesta segunda, encontrou os galácticos e entrou em uma polêmica. Acusou Ronaldo Nazário de organizar festas regadas a álcool e disse atribuiu uma frase a Ruud Van Nistelrooy que o holandês foi a público negar ter dito.

[foo_related_posts]

O contexto da chegada de Fabio Capello no Real Madrid para a sua segunda passagem era similar à primeira: o time queria colocar ordem na casa, em um time recheado de talento, mas que se imagina faltar ordem. Vanderlei Luxemburgo tinha passado pelo clube em 2005 e consideravam que ele não tinha controle do vestiário, especialmente por ser muito amigo dos jogadores, e foi substituído por Juan Ramón López Caro até o fim da temporada 2005/06. Capello chegou em julho de 2006 com a fama de general que o precedia.

Uma das estrelas do elenco era o atacante Ronaldo Nazário, já consagrado, mas vindo de um retumbante fracasso com a seleção brasileira na Copa do Mundo de 2006. Acusado de estar acima do peso, o jogador era muito criticado também pela torcida do Real Madrid na temporada que precedeu o mundial da Alemanha, quando o Brasil acabou eliminado pela França nas quartas de final, com um show de Zinedine Zidane, seu então companheiro de Real Madrid.

“O maior talento que eu trabalhei foi Ronaldo”, afirmou Capello, em entrevista à Sky Sport Italia, algo que ele já tinha falado antes. Mas a mão que afaga é a mesma que apedreja, como diz o ditado. O treinador explicou porque liberou o atacante para ser negociado, seis meses depois da chegada do técnico a Madri.

“Mas, ao mesmo tempo, ele causou os maiores problemas dentro do vestiário. Ele costumava organizar festas. Van Nistelrooy uma vez me disse: ‘Chefe, você pode sentir o cheiro de álcool nos vestiários aqui’. Então, quando ele foi para o Milan, nós começamos a vencer. Mas em termos de talento, ele foi o maior com quem trabalhei, sem dúvida. Hoje nós temos um bom relacionamento. Nós conversamos com cortesia e com prazer”, contou ainda o técnico.

Só que Van Nistelrooy não gostou da declaração do técnico e negou ter dito o que Capello afirma. No Twitter, o ex-jogador, atualmente técnico nas categorias de base do PSV, escreveu: “A respeito de declarações atribuídas a Fabio Capello dizendo que eu, um dia, comentei que o vestiário do Real Madrid ‘cheirava a álcool’, quero desmentir rotundamente estas afirmações. Esse vestiário desde o primeiro dia demonstrou um profissionalismo máximo”, disse o holandês. “Desde o primeiro até o último companheiro, trabalhamos e defendemos o escudo do clube de uma forma íntegra e profissional”.

Ronaldo só ficaria poucos meses trabalhando com Capello. Fora de forma, e com a chegada do atacante Ruud Van Nistelrooy ao Real Madrid naquela temporada, o atacante acabou sendo dado como negociável. Em janeiro de 2007, foi negociado com o Milan, voltando à Itália. Naquela época, a negociação se deu por € 7,5 milhões (€ 9 milhões, atualizado para os dias de hoje com a inflação).

Quando Ronaldo saiu, o Real Madrid estava em terceiro lugar no Campeonato Espanhol, atrás de Barcelona e Sevilla. Ao final da temporada, o Real Madrid acabaria com o título, com o mesmo número de pontos do Barcelona, mas vantagem no confronto direto. Nistelrooy, contratado naquela temporada, terminou como artilheiro da liga, com 25 gols, três a mais que Frédéric Kanouté, do Sevilla, e Diego Milito, do Zaragoza.

Ao final da temporada, mesmo com o título, Capello seria demitido. E o motivo foi o mesmo de 10 anos antes, quando dirigiu o clube por uma temporada em 1996/97: o estilo pragmático do técnico não agradava a torcida. Ainda mais em um time recheado de talento. Assim, por duas vezes, o treinador foi para o Real Madrid, conquistou o título espanhol, mas acabou demitido.

Capello assumiria, ainda naquele ano de 2007, o comando da seleção inglesa, na qual ficaria até 2012. Ainda passaria pela seleção da Rússia, de 2012 a 2015, antes de treinar o Jiangsu Suning, de 2017 a 2018, seu último trabalho como técnico. Aos 73 anos, o treinador hoje faz participações em programas de TV.