O candidato democrata à presidência da República dos Estados Unidos, Joe Biden, entrou em uma disputa que tem sido polêmica no país: o processo das jogadoras da seleção feminina contra a US Soccer, a federação americana de futebol. O ex-vice-presidente do governo Barack Obama usou o Twitter para dar apoio às jogadoras, dizer que elas não devem desistir e ameaçou, caso chegue à Casa Branca, tirar fundos da federação americana.

Na última sexta-feira, o juiz federal R Gary Klausner decidiu por rejeitar a reivindicação desigual de pagamento das jogadoras. O processo foi levado feito em março de 2019 por 28 membros da seleção americana feminina, pedindo igualdade de pagamento e tratamento, além de danos de US$ 66 milhões, incluindo pagamentos retroativos.

O grupo de jogadoras que estão nominalmente no processo inclui Megan Rapinoe, Alex Morgan e Carli Lloyd, algumas das melhores jogadoras do mundo. O processo pede compensação a qualquer jogadora que tenha entrado em campo pela seleção americana desde fevereiro de 2015.

“Não desistam desta luta”, escreveu Biden. “Isto ainda não acabou”. E ele continuou. “US Soccer: pagamento igual, agora”, escreveu. “Ou então, quando eu for presidente, vocês podem ir para outro lugar para pedir recursos para a Copa do Mundo”.

Quando o candidato democrata fala em dinheiro para a Copa do Mundo, está falando sobre a Copa do Mundo de 2026, que será sediada nos Estados Unidos, Canadá e México. Os americanos é quem sediarão a maioria dos jogos e receberão a maioria das seleções, em um torneio que terá a estreia do formato com 48 times – um formato que é muito criticado por torcedores e participantes do mundo do futebol, inclusive por nós.

Na sexta-feira, após a divulgação da decisão do juiz, Molly Levinson, porta-voz das jogadoras, falou sobre o assunto. “Nós estamos chocados e decepcionados com a decisão de hoje, mas não iremos desistir no nosso trabalho duro por pagamento igualitário”, afirmou. “Nós estamos confiantes no nosso caso e firmes no nosso compromisso em garantir que as garotas e mulheres que jogam este esporte não serão menos valorizadas por causa do seu gênero”.

A alegação do juiz para negar o pedido das jogadoras no processo foram os acordos coletivos fechados por jogadoras da seleção feminina e jogadores da seleção masculina com a federação, que foram diferentes. “A história das negociações entre as partes demonstra que a sleção feminina rejeitou uma oferta para ser paga sob a mesma estrutura de pagamento por jogo que a seleção masculina, e a seleção feminina rejeitou bônus mais altos por benefícios, assim como uma grande base de compensação e a garantia de um maior número de jogadores contratados”, escreveu o juiz na sua decisão.

O juiz permitiu, porém, alegações que a seleção feminina recebeu tratamento discriminatória em relação a condições de trabalho, recebendo condições inferiores de viagens, acomodações e tratamento médico comparado aos homens. Aquelas alegações irão para julgamento em um tribunal federal no próximo mês.

A seleção americana conquistou o seu quarto título mundial na Copa do Mundo de 2019. Quatro títulos em oito edições, mantendo inclusive o título de 2015, que a seleção americana já tinha reconquistado. A seleção masculina, por sua vez, não conseguiu chegar à Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Na última quinta-feira, 30 de abril, Rapinoe apareceu com Biden e a sua esposa, Jill Biden, em um evento ao vivo no Instagram. A jogadora brincou que pode participar da chapa do democrata. “Eu não quero te colocar contra a parede”, afirmou a jogadora. “Eu poderia ainda jogar futebol e fazer isso. Mas se você precisar de uma vice-presidente, eu estou dizendo que estou disponível para uma entrevista. Nós podemos falar sobre logística e detalhes. Coloque na sua lista”, disse a jogadora.

A jogadora falou sobre o assunto porque Biden prometeu escolher uma mulher como sua colega de chapa. Rapinoe, ele disse, “aceitaria receber uma diminuição de salário para se tornar vice-presidente”. Ela ainda brincou: “Você sabe que eu não sou muito disso [de não ser da política].