Por Bruno Cassali*

Estádios acanhados, futebol bruto, torcida apaixonada e fórmula de disputa exótica. Poderia ser um campeonato estadual ou Brasileirão dos anos 1980 ou 1990, mas estamos falando do Campeonato Escocês. Após uma longa pausa de verão, o futebol está de volta às terras escocesas nesse final de semana, e agora com transmissões ao vivo para o Brasil, algo que não acontecia desde os anos 1990. Ver o Escocesão em pleno 2015 talvez tenha uma certa nostalgia, porque o mundo mudou, os vizinhos ingleses se tornaram ricos, poderosos e com status de melhor liga do mundo, mas o futebol escocês continua digamos, retrô. É a chance de ver o futebol britânico em estado bruto, já que a Escócia se tornou uma espécie de divisão inferior do futebol inglês. Tanto que é comum ver jogadores que se destacam na liga escocesa trocarem a primeira divisão do país por times da segunda ou terceira divisão inglesa. Se você sente falta do antigo futebol “kick and rush” e os 4-4-2 ortodoxos, o Escocesão pode ser uma grande atração.

LEIA TAMBÉM: Como a rivalidade Escócia x Inglaterra começou por orgulho, e descambou para a violência

Serão 10 cidades representadas pelos 12 times que jogam num regulamento nada comum. Após três turnos de todos contra todos, a tabela é dividida ao meio para o turno final. Enquanto os seis últimos lutam entre si contra o descenso, os seis primeiros disputam vagas europeias e o título. Sim, é tudo para ter mais calendário, porque, convenhamos não dá para ter mais de 12 times na primeira divisão (algo que poderíamos falar de um campeonato estadual, já que alguns estados do Brasil são maiores que a Escócia). E, como tem sido tradicional nos últimos quatro anos, o Escocesão tem uma característica marcante: a caça ao Celtic.

Não é segredo algum a superioridade do time verde e branco, campeão europeu de 1967. O time de Glasgow é o segundo maior vencedor da história do Campeonato Escocês, mas há quatro anos vê o rival – e maior vencedor da liga escocesa – Rangers mergulhado nas divisões inferiores após um processo de bancarrota. Único clube capaz de grandes investimentos, o Celtic tem ainda o privilégio de ser o representante do país na Champions League – apesar de ter que passar pelas fases eliminatórias para chegar à fase de grupos da competição.

Para combater o atual tetracampeão, as principais alternativas têm poucas armas, mas esperam fazer algum barulho nessa temporada. Novo integrante da elite, o Hearts será o representante da capital na primeira divisão. Os grenás fizeram investimentos pontuais para a temporada e esperam ainda mais evolução do excelente trabalho de Robbie Neilson no comando técnico. Em 2014, o Hearts perdeu apenas três em 38 jogos para sagrar-se campeão da Championship Escocesa (a segunda divisão).

Campeão da Copa da Escócia, o Inverness Caley Thistle caiu logo de cara na primeira participação do clube em competições europeias (0-1 no agregado diante do FC Astra na primeira pré-eliminatória da Liga Europa) e não empolgou nesse início de temporada. Atual vice-campeão, o Aberdeen manteve a base comandada por Derek McInnes, mas esbarra na pouca profundidade de seu elenco par a disputar em igualdade com o Celtic.

As emoções acontecerão em estádios bastante acanhados: oito dos 12 times jogam em estádios para menos de 15 mil pessoas. Só o Celtic Park (60.300 lugares) tem capacidade maior que 21mil pessoas. Os estádios acanhados podem formar ambientes de mais calor com a torcida, mas as rivalidades locais não apimentarão essa disputa. Apenas Dundee terá o clássico local na SPL, já que em Glasgow (Celtic e Rangers) e em Edinburgh (Hearts e Hibernian), os rivais estão em divisões diferentes.

Te vi na TV

Sem dúvida, a grande novidade para os brasileiros relacionada ao Campeonato Escocês será a transmissão ao vivo via Fox Sports. Segundo a grade do canal, Dundee United x Aberdeen será a partida a abrir os trabalhos televisivos no domingo, 11h30min horário de Brasília. Há anos o campeonato não era transmitido para o Brasil. Nos anos 1990 e início dos 2000, a ESPN internacional transmitia partidas da liga escocesa, quando não havia integração com a ESPN Brasil, uma época que o futebol escocês ainda fazia algum barulho no futebol europeu. Isso, porém, mudou.

Atual vice-campeão, o Aberdeen é o único dos escoceses ainda vivo na Liga Europa, já que Inverness Caley Thistle e St. Johnstone caíram respectivamente na primeira e segunda rodada das fases preliminares. Na competição continental, o time comandado em campo por Adam Rooney – que, apesar do sobrenome, é irlandês e não é parente de Wayne, do Manchester United – enfrentará o Kairat do Cazaquistão na terceira pré-eliminatória.

Já o Dundee United não vive um bom momento. Após perder seu centroavante Nadir Çiftçi pro Celtic, o time não encontrou mais o rumo das vitórias: foram cinco derrotas em cinco amistosos internacionais (diante de Vitesse, AZ Alkmaar, Utrecht, QPR e Watford).

Chegadas e Partidas

Não são muitas as transferências dignas de impacto razoável que ocorreram nesse quente verão escocês – cuja média de temperatura não chega a 20ºC. O Celtic certamente foi o principal responsável por esquentar o mercado ao contratar em definitivo o zagueiro belga Dedrick Boyatá junto ao Manchester City e o centroavante turco-holandês Nadir Çiftçi, oriundo do Dundee United. Mas o técnico Ronny Deila ainda batalha pela permanência de Virgil Van Dijk, zagueiro holandês fortemente especulado no Everton e autor de dois dos três gols do Celtic como mandante na atual Champions League.

Em Dundee, os rivais correram atrás de peças ofensivas. O Dundee acertou com Rory Loy, destaque do Falkirk no vice-campeonato da Copa da Escócia da última temporada. Já o United, que também vendeu ao Celtic os meio-campistas Gary Mackay-Steven e Stuart Armstrong, foi buscar o atacante Robbie Muirhead no Kilmarnock. Além disso, acertou com Rodney Sneijder, irmão de Wesley Sneijder.

O Kilmarnock foi discreto no mercado, mas ágil o suficiente para garantir o retorno do centroavante Kris Boyd ao Rugby Park. No Hearts, uma das novidades é o polonês Blazej Augustyn, zagueiro de 1,91m que chega pra substituir o ex-capitão Danny Wilson, que acertou retorno ao Rangers, clube que o revelou para o futebol.

Brasileiros

Dois brasileiros começam a temporada 2015/16 jogando a SPL, número que podemos considerar baixo em virtude da proliferação de futebolistas tupiniquins no Velho Continente. A curiosidade é que ambos são defensores e que tem passagens pelo futebol gaúcho.

Pronto para começar sua segunda temporada na SPL, Lucas Tagliapietra quer tornar-se um dos pilares defensivos do Hamilton Academical. Com 1,91m, o defensor, que chegou na última temporada ao Hamilton, tem passagens pelo futebol da Moldávia e de Hong Kong, mas começou a carreira no Santa Cruz-RS.

O outro brasileiro será uma das novidades do recém-promovido Hearts para tentar se consolidar na SPL. Nascido em Campinas, Igor Rossi Branco foi formado no Internacional, mas de fato nunca recebeu oportunidades na equipe principal. Após jogar grande parte da carreira no Marítimo, de Portugal, Igor vestirá a camisa 18 do Hearts nessa temporada.

Mas… cadê o Rangers?

Após crise financeira e o rebaixamento pra quarta divisão, o Rangers teve a oportunidade de regressar a elite no ano passado. Mas após superar Queen of the South e Hibernian em playoffs eliminatórios, os Gers pararam no último degrau antes da volta à elite ao ser batido em dois jogos pelo Motherwell.

Para esse ano, Mark Warburton é o comandante dos azuis em busca do retorno à elite. Vindo do Brentford, clube da segunda divisão inglesa, o novo técnico trouxe reforços oriundos do futebol inglês: chegaram o goleiro Wes Foderigham, do Swindon Town (da terceira divisão), o lateral James Tavernier e o atacante Martyn Waghorn, ambos ex-Wigan (rebaixado à terceira divisão).

Assim como na temporada passada, o Rangers não deve ter vida fácil. Pela frente, os Gers terão enfrentamentos diante de St. Mirren, rebaixado na última temporada na SPL, e o Hibernian, que terminou na frente do time de Glasgow na temporada regular em 2014/15. Entretanto, o Rangers ainda desponta como franco favorito ao acesso. Quem sabe no próximo ano o time dos protestantes de Glasgow consegue finalmente volta à primeira divisão escocesa e reviver o Old Firm com o Celtic.

NA TV:
Dundee United x Aberdeen
Domingo, 11h30 – Fox Sports

*Bruno Cassali (@brunocassali) é jornalista esportivo desde 2008 e atuou em coberturas esportivas no Rio Grande do Sul até novembro de 2014. Desde janeiro de 2015, mora em Edimburgo, capital da Escócia.