O técnico do Real Madrid, Rafa Benítez, disse nesta terça-feira que o clube sofria com uma campanha contrária ao presidente Florentino Pérez, a ele, o treinador, e ao clube. Sim, é incrível, um clube do porte do Real Madrid, com sua estrutura, recheado de craques, tem um técnico que usa a campanha “estão todos contra nós”. A campanha que o técnico diz haver contra o Real Madrid parece começar em campo, com os jogadores atuando muito mal. Em parte, por culpa dele mesmo. Foi o que se viu na vitória por 3 a 1 do Real Madrid sobre a Real Sociedad, em um jogo que o time mais uma vez ficou devendo.

LEIA TAMBÉM: Elenco do Real Madrid disputou uma muito competitiva partida de FIFA 2016

O primeiro tempo teve dois pênaltis, os dois bem questionáveis. No primeiro, Benzema trombou com Berniche e caiu. O árbitro apontou a marca da cal. Cristiano Ronaldo chutou por cima do gol, o que gerou mais insatisfação em um estádio Santiago Bernabéu inquieto.

No segundo, Bale cruzou da linha de fundo na direita, a bola desviou na perna de Berniche e rebateu no braço do jogador. O árbitro, de novo, marcou o pênalti. Desta vez, Ronaldo tratou de cobrar com perfeição para guardar e abrir o placar. A comemoração, curiosamente, foi com ele pedindo desculpas, discretamente, à torcida.

Só que a atuação, como nos últimos jogos, não foi boa. O time dava espaços no meio-campo, marcava mal, dando espaços e vendo Bruma, pelo lado esquerdo do ataque da Real Sociedad, causar muitos problemas ao lateral direito Danilo. O time parecia sem alma, mas sobretudo sem organização, em um posicionamento que deixava os jogadores distantes, sempre, um do outro. O gol de pênalti foi a única coisa a se comemorar no primeiro tempo.

A torcida, que já tinha vaiado o técnico Rafa Benítez antes mesmo da bola rolar, não via nada em campo que justificasse se empolgar com o time. E a torcida ficou ainda mais insatisfeita quando viu, logo a quatro minutos do segundo tempo, a Real Sociedad empatar. Pepe falhou em um corte dentro da área, a bola sobrou para Bruma, que chutou colocado, no ângulo. Um golaço.

A pressão sobre o time aumentava. A atuação, porém, não melhorou. Veio o segundo gol, é verdade, graças ao seu maior talento. Em um escanteio a bola veio difícil, Cristiano Ronaldo pegou de primeira e marcou. Um gol que, acima de tudo, é de alívio. Eram 22 minutos, o que ajudou a tirar um pouco da pressão. A Real Sociedad ainda atacava, levava até algum perigo, mas nada como antes.

Aos 41 minutos, veio o lance definitivo do jogo. Em um contra-ataque, Bale correu muito com a bola, chegou à linha de fundo e cruzou rasteiro para Lucas Vázquez, que completou bem para o gol, com tranquilidade. Mais um gol, desta vez para selar a vitória por 3 a 1 em casa. Um gol importante, que dá a vitória e leva o time a 36 pontos, na liderança provisória da liga, até que os rivais joguem.

O problema é que o futebol do Real Madrid continua sendo muito aquém do que se espera. O time não joga como se espera, não mostra alternativas de jogo, tem problemas na marcação, o que expõe os seus jogadores de defesa, como o lateral Danilo, que joga praticamente no mano a mano com o atacante de lado rival, que neste jogo foi Bruma.

Vem ano e vai ano, o Real Madrid segue querendo ser mais um time de posse de bola, mas segue sendo um especialista em contra-ataques. É um dos melhores do mundo nesse quesito. Quando se trata de manutenção da bola, porém, o time piorou muito sob o comando de Benítez em relação ao que era com Ancelotti. Tem a ver com características de jogadores, claro, mas também tem a ver com um jeito de organizar o time que é muito distante desse tipo de jogo. Até aqui, o técnico merengue não conseguiu fazer com que o time jogue um futebol ofensivo e atraente. É um time que resolve os jogos meio na marra, meio no talento. Organização? Isso não se vê no time do técnico Rafa Benítez.