Por Luis Filipe Chateaubriand*, da Universidade do Futebol

O calendário do futebol brasileiro de 2015 é dotados de quase todos os vícios de calendários de temporadas anteriores. A única melhoria implantada, aparentemente, é a adoção de uma pré temporada de 25 dias, ao invés dos cerca de dez dias habituais.

TEMA DA SEMANA: Propostas de leitores para calendário do futebol brasileiro
BRASIL: Calendário da CBF em 2015 avança tão pouco que nem dá para comemorar
CALENDÁRIO: Calendário não respeita data Fifa e prejudica o técnico da seleção. Brasil? Não, EUA

No entanto, constate-se que, como em 2014, um clube pode fazer, em tese, até 84 partidas oficiais ao longo da temporada (38 pelo Campeonato Brasileiro, 24 pelo conjunto Libertadores / Sulamericana / Copa do Brasil, 19 pelos Estaduais / Regionais, dois pela Recopa Sulamericana e um pela Copa Suruga; dessa vez, a Recopa Sulamericana e a Copa Suruga não contarão com clubes brasileiros mas, ainda assim, o número de jogos oficiais de um clube brasileiro pode ir a 81).

Significa que, se há pré temporada maior, mas o número de jogos que se pode fazer é o mesmo, comprime-se o mesmo número de jogos por um tempo menor. Tem-se preparação, mas se tem também o mesmo número de jogos em menos tempo. Trocou-se seis por meia dúzia.

De resto, o que vemos?

• A não adequação ao modelo de calendário europeu, o que faz com que os clubes não possam excursionar na época propícia para enfrentar as grandes forças europeias.

• Várias rodadas de competições locais, menos importantes, jogadas aos finais de semanas, com várias rodadas do Campeonato Brasileiro, mais importante, jogadas em meios de semanas.

• Clubes jogando de forma simultânea às seleções, como acontecerá na época da Copa América, o que faz com que jogadores atuem sem seus principais destaques, cedidos à Seleção Brasileira, e cria concorrência entre atividades de clubes e atividades de seleções.

• Clubes grandes podendo fazer mais de 80 partidas oficiais por ano.

• Centenas de clubes pequenos podendo fazer menos de 20 partidas oficiais por ano, ao longo de menos de quatro meses.

• Estaduais com número de datas extremamente alto, estorvando toda a organização da estrutura.

Na batalha para se ter um bom calendário no futebol brasileiro, continuamos perdendo de goleada, de 7 x 1… mais um gol da Alemanha!

*Luis Filipe Chateaubriand é Membro do Bom Senso Futebol Clube e Autor da Obra “Um Calendário de Bom Senso para o Futebol Brasileiro”