Todo mundo que já assistiu desenho animado viu aquela cena do personagem que cava um buraco no chão e sai na China ou no Japão. O São Paulo se enfiou em um buraco tão fundo que saiu no Japão. E em plena Copa Suruga. A derrota por 3 a 2 para o Kashima Antlers, campeão da gloriosa Copa da Liga japonesa, foi com requintes de crueldade. O time brasileiro tomava 2 a 0 no primeiro tempo, buscou o empate, mas nos acréscimos sofreu um gol daqueles típicos de time em má fase: chute de fora da área, desviado no meio do caminho, entrando devagar. Um gol que matou o jogo como cada derrota tem matado os são-paulinos: lenta e cruelmente.

O São Paulo entrou em campo com um time desfalcado. Jadson foi liberado para voltar ao Brasil. Na defesa, Paulo Miranda, machucado, nem foi para o Japão. Rafael Tolói também não jogou. A zaga foi formada por Lucas Silva, conhecido como Lucão, e Edson Silva. A dupla Silva & Silva aprontou várias confusões.

O tricolor dominava a posse de bola, como era esperado. O problema é que pouco fazia com ela. Boa parte dos passes era no campo de defesa. E em um lance de programa de humor, que tira o bom humor dos são-paulinos, a zaga olhou o cruzamento, Rogério Ceni saiu pegando borboletas, Douglas olhou só a bola e Osako deu um chapéu meio sem querer e mandou para o gol vazio. Eram 24 minutos e, dali até o final do primeiro tempo, o São Paulo só piorou.

Se antes havia posse de bola, depois de tomar o gol o São Paulo não conseguiu nem isso. E aproveitando o mau momento dos brasileiros, o time japonês chegou ao segundo gol em um contra-ataque, novamente com a participação especial da dupla Silva e Silva. Juninho, ex-Palmeiras, recebeu pela esquerda e cruzou para Osako entrar livre, leve, solto para tocar para o gol, justamente entre um zagueiro e outro. Nem os lugares vazios dos estádios padrão Fifa no Brasil têm uma visão tão privilegiada de um jogo como os zagueiros tricolores.

Veio o intervalo e duas alterações de Paulo Autuori. Silvinho e Lucas Evangelista entraram nos lugares de Ademílson e Maicon. O time, incrivelmente, melhorou. Silvinho entrou se movimentando mais e chamando mais o jogo. Depois, o técnico ainda tirou o zagueiro Lucão, desfazendo a dupla Silva e Silva, e colocou o meia Roni. O volante Rodrigo Caio foi para a zaga.

Aos 12 minutos, Ganso teve espaço e, de fora da área, acertou o canto do goleiro japonês Sogahata. Ele colaborou um pouco, mas foi um belo gol do meia, que recolocou o time na disputa. Só que logo depois, Silvinho derrubou Osako e o árbitro marcou pênalti. O lance teve alguma polêmica, já que houve uma dúvida se a falta foi dentro ou fora da área. Fato é que Osaka bateu e Rogério Ceni defendeu, mas se adiantou. O árbitro mandou voltar. Osako, então, chutou forte e mandou uma bomba para fora. O São Paulo continuava no jogo.

Em um lance que a bola sobrou para Douglas, o lateral achou Ganso bem colocado na área e o meia rolou para Aloísio, em cima da linha, dar um bico, com raiva, e empatar o jogo. O curioso é que no lance, Ganso rolou para Aloísio e ficou olhando para a bola e se chocou com o poste que sustenta a rede. Voltou com uma faixa na cabeça. Ganso San.

O meia ainda deu dois ou três passes muito bons para os companheiros, que perderam as oportunidades. Só que quando a fase é ruim, amigo, nada salva. Já aos 46 minutos do segundo tempo, Shibasaki chutou de fora da área, a bola desviou em Osako, que parecia impedido, e matou o goleiro Rogério Ceni, que só olhou a bola entrar devagar. Matou o jogo, já nos acréscimos, e deu o título para o Kashima Antlers. Bicampeão da Copa Suruga – ano passado venceu a Universidad de Chile.

O São Paulo volta da excursão ao exterior com três derrotas, uma vitória e algumas conclusões. A primeira é que o time tem mesmo que se preocupar com o rebaixamento. O time é fraco e, considerando a má fase, tudo é possível. Sobre o time em si, Reinaldo entrou na lateral esquerda e tem que continuar, já que mesmo não mostrando muito, já foi melhor que Juan. Wellington não tem razão alguma para estar no time. É um volante que desarma pouco, tem feito muitas faltas e não dá qualidade à saída de bola como fazia quando subiu para o profissional. Aloísio mostrou o mesmo de sempre: muita vontade. Falta técnica, mas considerando a má fase de Luís Fabiano, não é nenhum absurdo que ele seja titular. O consagrado camisa 9 precisa se esforçar um pouco mais se quiser retomar a posição. Por fim, a esperança. Ganso fez um bom segundo tempo contra o Kashima Antlers, um time tecnicamente fraco. O gol e o passe para o segundo gol mostram que ele pode ser melhor do que tem sido. Dificilmente será um craque que um dia se imaginou, mas pode ser bastante útil se jogar um pouco mais, se movimentar mais, ajudar mais o time sem a bola.

Contra a Portuguesa, no domingo, o São Paulo volta ao Brasil e ao Campeonato Brasileiro. Faz um confronto direto contra a Portuguesa, ambos lutando contra o rebaixamento. E é bom o time do presidente Juvenal Juvêncio colocar as barbas de molho. Se o sushi estava ruim nesta quarta, no domingo o bacalhau pode ficar pior.