O Campeonato Brasileiro teve o seu primeiro grande jogo. O Flamengo venceu o Cruzeiro por 3 a 1 no Maracanã, com uma atuação decisiva do atacante Bruno Henrique. Foram dois gols marcados e participação direta no terceiro gol, de Gabriel Barbosa, o Gabigol. O Cruzeiro saiu na frente e, apesar do time forte, tomou a virada no segundo tempo. Depois de tomar a virada, o Cruzeiro não conseguiu mais ameaçar, sem ideias para usar os bons talentos do seu jogo.

Os dois times vieram com escalações muito fortes. No Flamengo, o técnico Abel Braga teve o desfalque do goleiro Diego Alves, machucado. César ocupou o seu lugar. No mais, escalação completa, com Diego no banco e Georgian De Arrascaeta como titular. Mais uma vez, Gabriel Barbosa ficou pela direita, aberto, enquanto Bruno Henrique foi o centroavante. Éverton Ribeiro, normalmente aberto pela direita, ficou pelo meio.

O Cruzeiro foi a campo com um time muito forte, como se espera de uma equipe como é a de Mano Menezes. O zagueiro Léo ficou fora do time, com Murilo no seu lugar formando dupla com Dedé na zaga. Dodô foi o lateral esquerdo, com Egídio no banco. No meio, Henrique e Lucas Romero foram os volantes, com Pedro Rocha em uma das pontas, Marquinhos Gabriel em outra e Rodriguinho pelo meio, com Fred como centroavante.

O jogo começou com os dois times se anulando, sem conseguirem completar as jogadas ofensivas. Havia muita correria dos dois lados, mas havia muita dificuldade de jogar. A quebra na marcação veio aos 40 minutos do primeiro tempo, já na reta final da etapa inicial. Fred recebeu de Pedro Rocha, girou e ainda conseguiu um passe no meio da defesa, nas costas e Pará, para Pedro Rocha. O atacante recebeu em profundidade e toco cruzado para marcar 1 a 0.

Só que nem deu tempo de comemorar. Um minuto depois, Éverton Ribeiro cruzou da direita, Bruno Henrique se antecipou à marcação e ao goleiro Fábio, tocou de cabeça, mas a bola foi para cima. O próprio Bruno Henrique correu para a bola, junto com Gabriel, e deu uma solada na bola já perto da bola entrar para empurrar para o gol. Empate por 1 a 1 no Maracanã.

O empate veio, mas o Flamengo tinha muita dificuldade em articular as jogadas. Éverton Ribeiro era o grande articulador do time, se movimentando, recebendo muito a bola e fazendo os principais passes ofensivos. Não por acaso foi um dos jogadores que mais tocou na bola ao longo da partida. Arrascaeta, porém, não fazia um grande jogo.

O Flamengo fez uma linda jogada aos 22 minutos. Arão tabelou com Gabriel, chega à linha de fundo e cruza rasteiro para trás. Bruno Henrique chutou de primeira, no canto, e marcou 2 a 1, virando o jogo para o rubro-negro. O estádio explodiu em alegria. O Flamengo, mesmo sem estar completamente organizado, sentia o momento e crescia.

De Arrascaeta não fazia um grande jogo e acabou substituído por Diego. O camisa 10 entrou para cadenciar o jogo, embora não tenha conseguido fazer isso. Ainda assim, ele apareceu mais para o jogo que o uruguaio. Individualmente, o Flamengo se virava com muita vontade em campo. Bruno Henrique e Gabriel se movimentavam muito, assim como Everton Ribeiro.

Aos 33 minutos, o árbitro Anderson Daronco mostrou cartão amarelo ao atacante Fred, depois de um desentendimento do jogador com Rodrigo Caio. Ele deu um tapa na cara do zagueiro do Flamengo. Mano Menezes, inconformado, reclamou muito e recebeu o primeiro cartão amarelo como técnico no Brasileirão, aplicando as novas regras aprovadas pela Fifa.

O Cruzeiro teve a missão muito mais complicada aos 39 minutos. Bruno Henrique fez jogada em velocidade, com habilidade, para cima de Murilo, que fez falta. O zagueiro tomou cartão amarelo e, como já tinha cartão, foi expulso. Com um a menos, a tarefa de empatar o jogo ficou ainda mais complicada.

Aos 44 minutos, as coisas complicaram ainda mais para o Cruzeiro e o mar vermelho se abriu para o Flamengo. Éverton Ribeiro retomou a posse de bola na intermediária defensiva e lançou para Gabriel, que vendo que a marcação estava encaixada e a bola não passaria, se antecipou, recebeu a bola virado para trás e lançou, do outro lado, Bruno Henrique. O atacante foi preciso, tocando de cabeça para driblar Dedé e, frente a frente com o goleiro, e chutou. Fábio defendeu para o lado, mas a bola sobrou para Gabriel, livre, tocar para o gol e marcar: 3 a 1 para o Flamengo.

Com o placar garantido, o técnico Abel Braga chamou Juan. O zagueiro faria sua despedida em campo, e não apenas com homenagens antes e depois do jogo. Entrou no lugar de Éverton Ribeiro, recebeu a braçadeira de capitão e formou uma linha de três zagueiros nos minutos finais de acréscimos. A torcida fez muita festa todas as vezes que Juan tocou na bola. Nem foram tantas, mas o suficiente para que houvesse muita vibração nas arquibancadas.

Juan se despediu do futebol profissional atuando pelo Flamengo (Foto: Getty Images)

No último lance do jogo, Dedé e Rodrigo Caio subiram para cabecear e o zagueiro do Flamengo afastou a bola, mas também cabeceou a cabeça de Dedé. O jogador caiu no campo parecendo desacordado, sem tentar sequer evitar a queda com os braços. Um acidente feio, que fez os jogadores se preocupassem imediatamente, pedindo atendimento médico assim que o jogador caiu no chão. Fred, que tinha se desentendido com o zagueiro no jogo, foi um dos primeiros a chamar o atendimento.

O médico do Flamengo, que estava atrás do gol onde aconteceu o choque de cabeças para atender Bruno Henrique, que sentia cãibras, entrou imediatamente em campo para atender Rodrigo Caio. O árbitro encerrou o jogo, que já passava do tempo prometido de acréscimos. A preocupação dos jogadores era grande e a ambulância precisou entrar em campo para atender o jogador do Flamengo. Dedé saiu de campo com um sangramento na cabeça, onde se chocou com Rodrigo Caio. Jogadores do Flamengo indicavam que parecia ter havido um corte na boca de Rodrigo Caio.

Após a retirada de Rodrigo Caio na ambulância, os jogadores do Flamengo se reuniram para homenagear Juan. Aos 40 anos, o jogador entrou em campo como profissional pela última vez. Foi levantado pelos jogadores e a torcida gritou o seu nome. O zagueiro foi até as arquibancadas e passou dado a mão a centenas de torcedores, dando uma espécie de volta olímpica pelo estádio.

O Flamengo inicia bem o Campeonato Brasileiro, com uma vitória contra um concorrente direto ao título, ao menos em tese. O segundo tempo do Flamengo foi de um time que soube jogar uma partida grande. O time ainda tem problemas de organização, mas houve uma apresentação mais consistente no segundo tempo contra um time que é um dos melhores e mais organizados do Brasil, o Cruzeiro. Como favorito, o Flamengo consegue uma vitória importante.

O Cruzeiro, apesar da derrota, tem boas qualidades. O segundo tempo do time acabou sendo não tão bom quanto o primeiro, mas o time é, sem dúvida, muito forte. No segundo tempo, Thiago Neves entrou em campo no lugar de Rodriguinho. Marquinhos Gabriel, que vinha jogando muito bem, teve um desempenho abaixo do esperado. Há melhoras a serem feitas, mas Pedro Rocha mostrou que pode ser um jogador importante, assim como Fred, mesmo sem fazer gol, mostrou que é capaz de causar grandes problemas a qualquer defesa.

Quem sai de campo muito em alta, porém, é Bruno Henrique. O atacante fez dois gols e participou do terceiro. Decisivo, eficiente e mostrando que pode ser centroavante, uma posição que não foi tão comum nos tempos de Santos. De todos os adversários que o Flamengo sofreu neste ano, o Cruzeiro era aquele com potencial de causar mais problemas. E o time passou no teste com um bom segundo tempo e uma vitória merecida.