Quem não mora nos Estados Unidos e decide começar a acompanhar NFL não costuma ter os mesmos critérios para a escolha de sua franquia preferida do que as pessoas que vivem no país. A equipe de futebol americano geralmente é escolhida pelos habitantes por identificação com a cidade onde o time se baseia, ou com o estado. Quem mora fora, porém, normalmente se identifica com uma franquia por outros motivos. Por exemplo, pelo apelido que se torna marca da equipe por ser algum elemento ou característica ligados à história da cidade, e vem após a menção ao local no nome do time. E foi o apelido do New Orleans Saints que levou Drew Brees, um dos grandes quarterbacks da história da liga e jogador da franquia, a estabelecer uma ligação com o Southampton, também chamado de Saints, que jogam a final da Copa da Liga no fim de semana.

VEJA TAMBÉM: Lateral do Leicester quer se tornar kicker da NFL quando encerrar carreira

A final da Copa da Liga será decidida contra o Manchester United e o Southampton ganhou o apoio de Brees para a decisão. Em um vídeo gravado pelo quarterback do time da NFC, ele deixa sua torcida e força para os Saints do futebol inglês, que terão esse desafio ante a equipe de José Mourinho no próximo domingo.

“Essa vai para o Southampton Saints, vinda do quarterback do New Orleans Saints aqui. Nós apenas gostaríamos que vocês soubessem que estamos ao juntos com vocês. Será uma batalha como a de Davi e Golias. O Manchester United pode até pensar que é o maior, pode até pensar que vai ganhar. Mas nós acreditamos nos Saints. Vamos vencer, vamos conseguir!”, fala Brees durante a mensagem.

O time da NFL recebe esse nome porque foi fundado em 1 de novembro de 1966, data em que se celebra o Dia de Todos os Santos. Como New Orleans é uma cidade onde a grande maioria dos habitantes é católica, o apelido de “Saints” acabou se encaixando, assim com o do Southampton. Os ingleses são eventualmente chamados dessa forma porque suas origens também estão ligadas à religião, com o clube tendo sido fundado em 1885 por membros da St. Mary’s Church, a principal igreja da cidade. Nos primórdios, a agremiação era até chamada de Southampton St. Mary’s, mas hoje em dia as únicas relações com suas raízes estão no apelido de “Saints” e no nome do estádio em que mandam seus jogos ser St. Mary’s, uma vez que o clube passou a adotar apenas o “Football Club” depois do nome da cidade.

Uma outra curiosidade é que a música que é usada como um hino pela torcida dos Saints ingleses é When the Saints Go Marching In, música tornada ainda mais famosa em versão de Louis Armstrong, uma das mais tradicionais do gênero jazz e um hino gospel. É, também, a canção que inspirou o nome da franquia de futebol americano. E isso tem tudo a ver com o fato da cidade de New Orleans ser um dos berços do jazz.

Enquanto o Southampton briga no meio da tabela da Premier League, mas, pelo menos, alcançou a final da Copa da Liga Inglesa, a temporada do New Orleans Saints não foi nada boa. A franquia de Brees acabou não conseguindo se classificar para os playoffs da NFL em função de sua sequência desanimadora. Foram sete vitórias contra nove derrotas na temporada regular, ainda que 2016 tenha sido excelente para o quarterback, particularmente. Brees alcançou mais de cinco mil jardas na temporada pela quinta vez em sua carreira, o que faz dele um dos melhores de sua posição e um dos mais notáveis jogadores de futebol americano de todos os tempos.

Confira abaixo a gravação da mensagem do quarterback do New Orleans Saints para os Saints do futebol inglês: