Em plena terça-feira, os Bálcãs viveram o seu clássico mais efervescente. Estrela Vermelha e Partizan Belgrado se enfrentaram no Estádio Marakana, na primeira rodada do octogonal decisivo do Campeonato Sérvio. E, graças a um brasileiro, os alvinegros colocaram fogo na disputa pelo título, vencendo os rivais em seus próprios domínios por 3 a 1. O meia Leonardo teve atuação brilhante e balançou as redes duas vezes no dérbi, esbanjando categoria. Embolou o topo da tabela, com o Partizan igualando a pontuação do Estrela Vermelha, embora leve desvantagem nos critérios de desempate, por ter feito menos pontos que os alvirrubros na temporada regular.

Artilheiro do Campeonato Sérvio, com 19 gols, Leonardo vive excelente momento em sua primeira temporada pelo Partizan. O meia de 25 anos nasceu em Andirá, no interior do Paraná, e começou no Matsubara, antes de seguir à Europa ainda nas categorias de base. Rodou por Bélgica, Chipre, Ucrânia, Azerbaijão e Rússia. Defendeu o Anzhi por duas temporadas, ajudando o clube a retornar à primeira divisão do Campeonato Russo. Em julho, acabou pinçado pelo Partizan, onde atravessa a melhor fase da carreira. São sete gols nos últimos sete jogos, incluindo os dois do clássico.

Leonardo começou a apresentar suas credenciais aos 21 minutos, em bela cobrança de falta. O Estrela Vermelha chegou ao empate no início do segundo tempo, com Richmond Boakye. Entretanto, a noite era mesmo alvinegra. Leandre Tawamba retomou a vantagem antes que Leonardo fechasse a conta, em bela trama coletiva, completando com um sutil toque por cobertura. Ao final, comemorou com os cerca de três mil torcedores presentes na cada dos rivais, calando a torcida alvirrubra. Foi o primeiro triunfo do clube no Marakana desde 2011.

A vitória torna o Campeonato Sérvio imprevisível. O Estrela Vermelha segue um passo à frente para o bicampeonato, mas não tem mais margem de erro. Enquanto isso, o Partizan vem babando, embora precise desperdiçar menos pontos contra os rivais mais fracos. Já Leonardo ganha de vez a idolatria de uma das torcidas mais apaixonadas da Europa, após ter decidido o clássico no primeiro turno com um tento aos 44 do segundo tempo. Moral que, no fim das contas, pode também abrir portas para a sequência de sua carreira.