Pela primeira vez na história, Cardiff será o palco da decisão da Champions League. A cidade galesa receberá as finais feminina e masculina da principal competição de clubes da Europa. Real Madrid e Juventus entram em campo no Millennium Stadium apenas no sábado, mas já nesta quinta Lyon e o Paris Saint-Germain fazem a decisão no Estádio Cardiff City. Será também a primeira final inteiramente francesa da competição feminina. Enquanto Lyon é uma potência e venceu a edição passada batendo o Wolfsburg, em sua terceira conquista continental, o PSG só participou de uma decisão da Champions, em 2015, perdendo para o Frankfurt. Naquela época, porém, as parisienses não tinham o diferencial que têm hoje, o de poder contar com dois gigantes nomes do futebol brasileiro: Cristiane e Formiga.

VEJA TAMBÉM: Pela má fase do time masculino do Wolfsburg, o feminino foi proibido de festejar seu sucesso

Elas farão parte de um seleto grupo de brasileiras que já disputaram uma final de Champions League. Desde 2014, quando o Tyresö, da Suécia, jogou a decisão com seu elenco lotado de atletas do Brasil, nenhuma outra jogadora representou o país na finalíssima. Naquele ano, Marta era a única titular, mas no banco do Tyresö estavam também Rilany, Mayara e Thaisa – esta, entrando no fim. E foi um jogão contra o Wolfsburg. Por pouco as suecas não levaram a taça para a Escandinávia, perdendo por 4 a 3 para as alemãs. Marta anotou dois gols e Verónica Boquete fez um. Inclusive, a espanhola agora joga pelo PSG e estará na final mais uma vez.

Em 2012, Rosana foi a representante do Brasil na definição da Champions entre Lyon e Frankfurt. Atuando pelo lado francês, a meio-campista foi à campo com 20 minutos do segundo tempo e só saiu de lá com o troféu em mãos. Foi a primeira brasileira a tocar na Orelhuda no atual formato da competição. O título de Rosana com as OL Ladies recompensou as francesas pela final perdida em 2010, para o Turbine Potsdam, da Alemanha. Aquele time também contava com Simone e Kátia na equipe francesa, as primeiras brasileiras a disputarem a Champions feminina com esta designação.

Até 2010, a competição se chamou ‘Uefa Women’s Cup’. Neste período histórico, Marta disputou três decisões pelo Umea (uma ao lado da meio-campista Elaine) e Cristiane chegou a jogar duas finais pelo Turbine Potsdam (saindo do banco no fim do jogo em ambas as ocasiões). Só as atacantes venceram o torneio. Cristiane, portanto, pode se consagrar bicampeã da Europa nesta temporada e sentir o gostinho de vencer a Champions League pela primeira vez. Um objetivo que ela cobiça bastante, conforme ela contou nesta excelente entrevista cedida às ~dibradoras. O título europeu da era moderna da competição é o que falta para completar o hall de troféus de Cristiane. E se depender do faro de gols dela, a taça pode ser uma realidade. A camisa 10 do PSG soma 30 gols em 32 jogos disputados em 2016/17 e é a artilheira do time.

Já Formiga pisará no gramado do Millennium Stadium para uma peleja valendo o título europeu pela primeira vez. Ela chegou ao Paris Saint-Germain no meio desta temporada para cumprir sua segunda passagem pela Europa. Antes, de 2004 até 2005, ela vestiu a camisa do Malmö, mas não chegou a participar da então Copa da Uefa. Mesmo tendo anunciado aposentadoria da seleção brasileira, a volante ainda dá bastante caldo em seus quase 40 anos. E foi justamente por isso que o PSG a contratou na última janela de transferências, em janeiro. Formiga compõe o fortíssimo meio-campo parisiense geralmente com Grace Geyoro, a capitã Shirley Cruz Traña e Ashley Lawrence. Elas vão se revezando com Aminata Diallo e Verónica Boquete, mas a brasileira foi titular em todos os duelos da Champions até então, exceto contra o Bayern de Munique – no segundo jogo, em casa, ela entrou no lugar de Laura Georges no segundo tempo.

LEIA MAIS: O maior negócio do PSG no fechamento da janela: Formiga jogará a Champions

O saldo das parisienses até este momento na competição é muito bom. São nove gols nas últimas quatro partidas. Mas é preciso tomar cuidado com o ataque fulminante do Lyon. A equipe de Gerard Precheur balançou as redes, ao todo, 32 vezes nesta temporada da Champions. Isso em oito jogos disputados, contra Manchester City, Avaldsnes, Zürich e Wolfsburg. A base do time é a mesma do que foi campeã ano passado, com exceção de uma novidade que reforçou ainda mais o ataque das OL Ladies na última janela: Alex Morgan. Chegaram também a canadense Kadeisha Buchanan e a alemã Josephine Henning, mas a grande contratação foi mesmo a norte-americana. Morgan, entretanto, não marcou nenhum gol na Champions, perdendo parte dos mata-matas por lesão. A artilheira da equipe é Eugénie Le Sommer, com os mesmos seis gols anotados por Cristiane. Mas a atacante da seleção americana já está bem para jogar a final, e pode ser uma ameaça às parisienses.

Será a quarta vez que PSG e Lyon vão se encarar em 2016/17. Pelo Campeonato Francês, uma vitória para cada lado. Jogando em casa, as parisienses derrubaram as adversárias por um placar de 1 a 0, e em Lyon, foram derrotadas por 3 a 0. A final da Copa da França feminina marcou o terceiro encontro entre os times, e o resultado do jogo foi um magro empate por 1 a 1. O título, no entanto, ficou com as OL Ladies, que levaram a melhor na disputa por pênaltis (7 a 6 para elas). É a sexta ocasião em que o Lyon chega à final da Champions nas últimas oito temporadas, e, destas vezes, foi campeão em três oportunidades. A tradição medirá forças com um ascendente PSG, que vem crescendo no cenário francês e europeu. Será um duelo muito interessante de se acompanhar.

A final da Women’s Champions League 2016/17 acontece nesta quinta-feira, dia 1 de junho. No Brasil, o início do embate está marcando para as 15h45 (horário de Brasília). Este ano, a Uefa transmitirá o jogo online pelo seu canal do YouTube. Na televisão, a transmissão fica por conta do SporTV2.