Brasil

O patrocínio sem publicidade: Grêmio receberá da Umbro para não expor marcas nos ombros

Clubes com dificuldades financeiras como os brasileiros não podem abrir mão de patrocínios de camisas. Às vezes, exageram e transformam os uniformes em macacões de Fórmula 1, mas são uma renda indispensável. O ideal (para mim) seria que um dia a estrutura financeira do futebol brasileiro fosse tão sólida que as diretorias pudessem abrir mão de estampar marcas no seus mantos, pelo menos escolher empresas que se identifiquem com a torcida ou logotipos que não agridam as cores tradicionais. O Grêmio teve uma grande iniciativa nesse sentido.

LEIA MAIS: O Grêmio merece elogios pela maneira como se posicionou contra o preconceito social

O clube gaúcho anunciou nesta terça-feira que fechou um acordo com a Umbro, sua fornecedora de material esportivo, que pagará para que o Grêmio não estampe nenhuma marca no omoplata (em português: a região dos ombros). Isso partiu de uma pesquisa que identificou que, embora a torcida aceite o patrocínio máster no peito, não gosta de ver logomarcas no omoplata, principalmente à esquerda, acima do escudo do time.

O Grêmio afirmou que receberá “ressarcimento específico pela não aplicação de marcas nessa região da camisa”, e essa compensação englobará a renda de produtos vendidos na loja Grêmio Mania. “Ou seja, quanto mais o torcedor adquirir produtos oficiais da Umbro, mais retorno financeiro o Grêmio terá”, explica o executivo de marketing do Grêmio, Beto Carvalho.

A medida não é pioneira. O Racing, em 2010, fez um acordo parecido e ainda mais profundo com o Banco Hipotecário Nacional, que optou por não expor a sua marca em nenhum lugar da camisa. O slogan da campanha era “devolver a camisa à torcida”. Essas duas empresas fizeram isso porque sabem que criaram ou criarão muito mais simpatia com os torcedores dos clubes – em outras palavras, potenciais consumidores – se chegarem a um meio termo e oferecerem o que eles querem. Muito esperto. Não se trata de bondade. Trata-se de inteligência.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo