Brasil

O América-MG foi eliminado, mas Matheusinho deixou a Copa SP como um talento a se observar

O América Mineiro não cumpriu o sonho de chegar à decisão da Copa São Paulo. Acabou pelo caminho, tomando a virada do Flamengo por 2 a 1 na semifinal. Porém, não é a queda que diminui a grande campanha feita pelo Coelho na competição, reafirmando sua competência para revelar. Inclusive, por aquele que pode terminar a Copinha como grande destaque individual: o camisa 10 Matheusinho. Mesmo nascido em 1998, dois anos abaixo do limite de idade do torneio, o meia arrebentou. Surge como grande aposta no retorno dos mineiros para a Série A do Brasileirão – e isso se o clube conseguir segurá-lo até lá, diante das especulações envolvendo outras equipes.

Para quem acompanha as categorias de base, Matheusinho não é nenhuma surpresa. Há algum tempo que o garoto se destaca nas competições com o América, a ponto de disputar o último Mundial Sub-17 com a seleção brasileira. No entanto, impressionou impacto do camisa 10 ao subir de categoria para a Copa SP. Em um momento no qual a diferença de idade ainda pesa, o novato nem sentiu isso. Dos 12 gols que o Coelho anotou na competição, o garoto balançou as redes em quatro e ainda deu a assistência para cinco. Finalizou a participação da melhor maneira possível.

O gol contra o Flamengo diz muito sobre a qualidade técnica do jovem de 17 anos (completa 18 em fevereiro). Matheusinho dominou dentro da área, virou e fuzilou sem deixar a bola cair. Uma pintura que, no fim das contas, não valeu a classificação, mas serve de cartão de visitas. Baixinho, com 1,63 m, talvez tenha dificuldades para se firmar entre os profissionais, em um futebol cada vez mais físico. Mas a qualidade de seus pés é um diferencial e tanto para conseguir triunfar.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo