Brasil

Há 40 anos, a Academia empurrou Rivellino para fora do Corinthians e evitou o fim da fila

O Corinthians estava desde 1954 sem conquistar um título. A fila incomodava, mas poderia ser encerrada de um jeito especial: contra o maior rival. O primeiro jogo da final do Campeonato Paulista de 1974 contra o Palmeiras terminou empatado por 1 a 1. A volta, em 22 de dezembro, foi realizada com Morumbi lotado, e todos aqueles torcedores tiveram que enfrentar mais uma decepção. O time de Dudu e Ademir da Guia venceu por 1 a 0 e ficou com o troféu

LEIA MAIS: Os três anos de Corinthians x Palmeiras que ninguém se esquecerá

Era a Segunda Academia palestrina, bicampeã brasileira nos anos anteriores. O gol saiu de uma dividida de cabeça entre Brito e Leivinha, que considera esse “o jogo da sua vida”A bola sobrou para Ronaldo conferir. Foi o penúltimo título palmeirense antes da sua própria fila, de 19 anos, até 1993, também no Paulistão, também contra o Corinthians.

O alvinegro de São Paulo precisou esperar mais três anos até vencer o estadual naquele épico contra a Ponte Preta. Mais do que o título, perdeu um ídolo. Rivellino foi considerado o principal culpado, pela crítica, pela torcida e até pelo presidente Vicente Matheus. Deixou o Parque São Jorge rumo ao Fluminense sem conquistar nenhum título pelo Corinthians, e aquele jogo no Morumbi, há exatos 40 anos, tem muita influência nisso.

Veja um vídeo do Canal 100 sobre o jogo que selou o título do Palmeiras:

Ouça a narração de todos os gols da final, com Orlando Duarte na ida, e Fiori Giglioti na volta:

E confira imagens de outros jogos do Palmeiras naquela campanha:


Você também pode se interessar por:

>>>> Em um gesto simples, mas genial, Corinthians e Palmeiras mostram que rivalidade não é guerra

>>>> Maior goleada de um Palmeiras x Corinthians completa 80 anos

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo