Campeonato Brasileiro

Vanderlei Luxemburgo no Sport é uma grande oportunidade para os dois lados

Vanderlei Luxemburgo está de volta. O treinador, aos 65 anos, acertou com o Sport para dirigir o clube rubro-negro e, enfim, estará de novo à frente de um clube no Brasil. Sua última passagem por aqui foi o Cruzeiro, em 2015. É uma oportunidade para os dois lados, com seus riscos e benefícios, mas que deve atrair atenção e que certamente será interessante de acompanhar. Há bons motivos para isso.

LEIA TAMBÉM: Há 30 anos, o início de uma história eterna: Romário estreava pela seleção principal

Luxemburgo vai para um time com bons jogadores, uma expectativa de ficar na metade de cima da tabela, mas não tão alta quanto seus últimos trabalhos, que era de ser campeão brasileiro. O Sport, além de tudo isso, tem boa capacidade de investimento, o que fica demonstrado pelo bom elenco que montou. O Sport, por sua vez, terá um técnico que dá todos os indicativos que está motivado para dar a volta por cima e com um tamanho que normalmente o clube não tem oportunidade de conseguir. O clube aproveita a baixa para levar um técnico do calibre de Luxemburgo para Recife.

“É uma grande oportunidade. Minha primeira vez no Nordeste, um grande momento profissional. Vou levar o meu conhecimento a um grande clube”, afirmou Vanderlei Luxemburgo ao site do clube. “Vou trabalhar visando uma conquista de um Brasileiro. Assisti a alguns jogos do Sport, que tem jogadores experientes e que mescla com jovens”.

Segundo reportagem do Globoesporte.com, a negociação entre Sport e Luxemburgo tinha sido encerrada no fim de semana. A família de Luxemburgo não queria que ele voltasse ao futebol neste momento. O técnico, porém, convenceu os familiares que era hora de voltar e que o Sport era uma boa oportunidade. Foram convencidos, o que é um bom indício que o ex-treinador da seleção brasileira está motivado para trabalhar. Luxemburgo estrará no Recife nesta terça-feira para já acompanhar o treinamento da equipe. Deve estrear no comando do Leão já na quarta-feira, na Ilha do Retiro, no jogo de volta da Copa do Brasil contra o Botafogo.

O elenco do Sport tem um rendimento abaixo do esperado até aqui na temporada. As finais da Copa do Nordeste contra o Bahia foram decepcionantes. O time tem jogadores para render mais. Além de Diego Souza, que é o grande astro, o time investiu pesado para manter Rogério, trouxe André de volta do Sporting, de Portugal, trouxe Mena, ex-São Paulo e Cruzeiro, além de ter Leandro Pereira no banco, ex-Palmeiras.

É um time com um elenco experiente e de qualidade para o Campeonato Brasileiro. Luxemburgo, portanto, pode mostrar que ainda consegue trabalhar bem e retomar a sua carreira. Suas entrevistas recentes mostraram um técnico motivado a mostrar que ainda é o mesmo grande técnico que conquistou o Campeonato Brasileiro cinco vezes, o maior campeão da competição, ao lado de Lula, o técnico do Santos de Pelé.

Em 2016, o Sport teve um desempenho que ficou abaixo da expectativa. O ano de 2017 também tem sido aquém do que se espera. Por isso, a chegada de Luxemburgo traz, sim, uma esperança. Para além da piada, Luxemburgo entende de futebol. A questão é o quanto ele consegue fazer esse conhecimento se tornar um bom trabalho. Tirando o trabalho no Tianjin Quanjian, em 2016, que não é possível de avaliar por ser um time de segunda divisão da China, ele teve três trabalhos sem brilho nas suas últimas passagens: Fluminense (2013), Flamengo (2014/2015) e Cruzeiro.

O Sport é a chance de mostrar, no banco de reservas, o que ele tem falado nas entrevistas. No discurso, Luxemburgo parece saber do que fala e diz que não está desatualizado – algo que, aliás, virou lugar comum dizer, sem uma definição clara do que é isso. Luxemburgo é um crítico dos treinadores que vão à Europa passar algumas semanas e voltam dizendo que estudaram. Ele tem razão. Porém, há também o que se vê em campo e seus últimos trabalhos não mostraram times tão bem organizados quanto eram antes. Ele terá uma nova chance em um clube com ambição.

Poucas vezes o Sport teve um técnico tão cheio de títulos quanto Luxemburgo. É talvez a primeira vez desde 1995, quando dirigiu o Paraná, que Luxemburgo terá uma oportunidade de trabalhar em um time com uma expectativa que não seja a de ganhar todos os títulos que disputa.

Por mais que o discurso de Luxemburgo já seja de título do Campeonato Brasileiro, se ele chegar entre os seis primeiros e beliscar uma vaga na Libertadores, já será um excelente resultado. Se conseguir uma boa campanha na Copa Sul-Americana, onde o Sport ainda briga, também será ovacionado. É, portanto, uma chance de desenvolver um bom trabalho sem deixar que a piada fique maior que o seu trabalho em campo.

Por tudo isso, é uma oportunidade para os dois lados. Resta saber como será aproveitada por ambos.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo