Campeonato Brasileiro

As alternativas de Carille: o que o técnico pode fazer para melhorar o desempenho do Corinthians?

A queda de desempenho acentuada do Corinthians fez com que o time, antes repleto de elogios, passasse a ser muito questionado. Alguns jogadores caíram de rendimento, o time, coletivamente, passou a ter mais problemas. E com o clássico com o Palmeiras se aproximando, muito se questiona sobre mudanças que Fabio Carille pode fazer na equipe. Que mudanças o técnico do Corinthians pode fazer?

LEIA TAMBÉM: Borja, enfim, entrega o que se esperava dele. Mas Palmeiras empata

O grande problema é que o Corinthians não tem lá tantas peças no banco que possam mudar de forma tão impactante o time. Bom, ao menos era essa percepção, mas o mau desempenho dos jogadores titulares tem pressionado o técnico a fazer mudanças. Depois de apostar nos seus titulares mais algumas vezes neste segundo turno, parece que finalmente o técnico deu o braço a torcer.

Nesta quarta-feira, Carille já treinou com duas mudanças: Maycon deixou o time para a entrada de Camacho, tentando dar mais força a um setor que de fato perdeu intensidade; Clayson substituiu o criticado Jadson. As mudanças parecem tentar fazer o time ganhar força no setor onde está sofrendo mais.

Maycon, um dos que mais fazia a transição entre meio e ataque, desapareceu no segundo turno. O volante revelado na base, de 20 anos, ganhou a posição no começo do ano, tirando espaço do contratado Fellipe Bastos. O desempenho desde então era bom, mas, assim como todo o time, caiu no segundo turno do Brasileirão. A ideia de Camacho é melhorar no aspecto defensivo e especialmente no ofensivo. Camacho é um jogador que tende a segurar mais a bola em um setor que é crucial para controlar o jogo.

Jadson teve bons lampejos, mas no segundo turno o desempenho, que já não era excepcional, caiu demais. Suas substituições frequentes davam a pinta que ele estava perdendo a posição. Clayson, por sua vez, é quem tem entrado melhor no time nos últimos jogos, especialmente a partir do segundo turno. Já merecia uma chance no time antes.

Uma alternativa para o time também seria a entrada de Marquinhos Gabriel, mas o meia se lesionou e deve ficar fora dos próximos jogos – a estimativa é que a lesão o deixe no estaleiro por três semanas. Seria uma opção que tem mostrado alguma evolução e ao menos tem contribuído mais com o time que Jadson.

Entre as opções ofensivas está também Giovanni Augusto. Este, porém, é um dos que mais desperta desconfiança. Seu desempenho também não convence, mas deve ser opção no banco. Pedrinho, jogador da base, já demonstrou ter talento, mas não parece pronto para brigar por um posto de titular.

Além deles, Kazim é reserva de Jô e, eventualmente, pode ser uma opção para atuar ao lado do atacante. Como seu desempenho é muito ruim quando entra em campo, é outra opção que não é considerada.

Entre as opções que tem, Carille poderia alterar o esquema, se quisesse fazer mais mudanças na equipe. Quem está no banco e entrou bem, ainda que com muita desconfiança, foi Paulo Roberto, volante que atuou no lugar de Gabriel. Deixaria o time mais marcador, com mais força no desarme, além de ter mais força física também. Liberaria um pouco mais os jogadores ofensivos. Esta, porém, é uma opção mexeria em mais posições, porque os jogadores ofensivos teriam que render mais para valer a pena.

Ángel Romero, um dos que é bastante criticado, é outro que parece que mesmo quando perde a posição, acaba voltando. Muito por falta de reservas que tomem o seu lugar. Carille poderia usar Clayson pela esquerda, Giovanni Augusto na direita e Jô mais à frente, com Rodriguinho, Camacho e Gabriel mais atrás. É uma opção que pode ser usada em um segundo tempo, por exemplo, caso seja necessário.

O elenco do Corinthians não oferece grandes soluções. Carille terá que passar a usar outras ideias se quiser mexer mais no time. Danilo, veterano machucado há um ano, não deve ter chance contra o Palmeiras, talvez nem mesmo no banco. O que resta, então, é tentar os ajustes no time coletivamente. A confiança é algo que precisa ser reconstruído e, fazendo o simples e sendo mais seguro na defesa, as coisas tendem a melhorar.

O jogo contra o Palmeiras, então, será crucial para recuperar o que o Corinthians tinha de sobra no primeiro turno: confiança. Contra o maior rival, um time tecnicamente mais forte e, neste momento, em melhor fase, será um desafio fundamental. Carille não pode ter medo de mudar o time, como parece estar, finalmente, convencido.

Os jogadores também precisam estar mais concentrados para serem mais eficientes. Será o jogo mais importante do Corinthians até aqui no ano. E do Palmeiras também. Por isso, tem tudo para ser um grande jogo.

E você, o que acha que o Corinthians precisa fazer para melhorar o desempenho em campo? Deixe seu comentário.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Bloqueador detectado

A Trivela é um site independente e que precisa das receitas dos anúncios. Considere nos apoiar em https://apoia.se/trivela para ser um dos financiadores e considere desligar o seu bloqueador. Agradecemos a compreensão.