Marcus Vinícius, esforçado jogador de vôlei, se transformou no número dois do esporte olímpico brasileiro. É o chefe da delegação em Londres. E, conversando com jornalistas, previu uma colheita de 30 medalhas de ouro para o Brasil daqui a quatro anos.

Fanfarronice. Isso é algo impossível. Basta ver uma comparação com o que temos hoje. O COB colocou como meta conseguir 15 medalhas, sendo cinco de ouro. Assim, bateria dois recordes do país.

Começa hoje a segunda semana e o Brasil tem uma medalha de ouro, de Sarah Menezes, no judô. Ainda há nove opções:

1) Futebol

2) Vôlei masculino

3) Vôlei de praia feminino

4) Vôlei de praia masculino

5) Maureen Maggi

6) Adriana Araújo, boxe feminino

7) Artur Zanetti, ginástica

8) Yane Marques, pentatlo moderno

9) Volêi feminino

As cinco primeiras opções são as mais fortes. As outras, tem mais cheiro de prata ou bronze. Pode haver surpresas, como Yamaguchi Falcão, no boxe. Isso, se passar por Julio Cesar Cruz, cubano campeão do mundo.

É difícil ganhar medalhas de ouro. Há muitos países competindo, é o melhor que existe no mundo. E Marcus Vinícius fala em trinta medalhas de ouro? Espero que ele não apele para naturalizações em massa. Hortência, que está rimando com incompetência, promete contratar uma armadora dos Estados Unidos para substituir Adrianinha, que se despediu da seleção.

Por enquanto, a realidade do Brasil é UM ouro e UM doping. Quantas medalhas vocês acham que o Brasil ganha em Londres? E no Rio de Janeiro?