Mais uma vez, a seleção brasileira de Mano Menezes não teve uma atuação exuberante, mas fez o suficiente para superar o Egito por 2 a 0, em amistoso realizado nesta segunda-feira no Qatar. Sem muito brilho, o principal destaque foi o atacante Jonas, o único jogador capaz de balançar as redes ao longo dos 90 minutos.

As principais mudanças em relação ao amistoso contra o Gabão aconteceram na defesa. Daniel Alves e Alex Sandro entraram nas laterais, enquanto Thiago Silva foi o parceiro de David Luiz na zaga. Já no meio, Hernanes e Bruno César foram mantidos, acompanhados por Lucas Leiva e Fernandinho. Pelos faraós, a novidade era o técnico Bob Bradley, em sua estreia pela seleção local.

A seleção brasileira teve o controle da partida logo nos primeiros minutos. O primeiro chute sairia três minutos depois do apito inicial, com Hernanes, mas a bola subiu muito e saiu sem perigo para o gol egípcio. Os africanos responderam com eficiência logo em seguida. Shikabala cobrou falta frontal ao gol e Diego Alves saltou para espalmar para escanteio. Também em jogada de bola parada, aos oito, Hulk assustou o goleiro El Shenawy, em bola que saiu desviada para a linha de fundo.

Apesar de manter a posse de bola, o time de Mano Menezes não conseguia passar pela bem armada marcação dos faraós. Para ambos os times, as únicas oportunidades de ameaçar o gol adversário vinha em cobranças de falta e chutes de longe. Somente aos 26 é que o Brasil conseguiu se infiltrar na área egípcia. Hulk recebeu lançamento na entrada da área, dominou e, de frente para o gol, isolou.

Hulk voltou a aparecer aos 32, após boa tabela com Alex Sandro. A lateral conseguiu driblar o marcador e, já dentro da área, bateu rasteiro. A bola ainda desviou em um defensor antes de ser rebatida pelo goleiro El Shenawy.

O gol que abriu o placar veio aos 38 minutos, em outra jogada de Hulk. O atacante fez boa jogada pelo lado direito e, já dentro da área, cruzou rasteiro. O goleiro africano não conseguiu interceptar o passe e Jonas, quase em cima da linha, só teve o trabalho e empurrar para as redes.

O Brasil por pouco não ampliou nos primeiros segundos da etapa complementar. Fernandinho enfiou bom passe para Jonas. O centroavante driblou o goleiro El Shenawy e tocou para o gol, mas, em cima da linha, Hergazy conseguiu afastar. No lance, o defensor chocou a perna com a trave e precisou ser atendido pelos médicos.

Depois do lance, porém, o início do segundo tempo foi pouco movimentado. O ânimo das equipes só se reascenderia aos 13 minutos, quando a seleção brasileira ampliou. Bruno César cobrou falta na área, Fernandinho cabeceou e, no rebote do goleiro, Jonas fez o segundo dele.

O Egito tentou igualar no minuto seguinte, em chute colocado de Elmehamady que Diego Alves fez boa defesa. Depois, foi a vez de Hernanes partir em velocidade e arriscar para o gol, em tiro rasante que passou próximo à trave. No entanto, os minutos seguintes seguiram equilibrados, com as duas equipes falhando no passe anterior à conclusão. Elmehamady tentaria outra vez aos 27, mas a batida saiu sem direção.

Enquanto o Brasil tentava gastar o tempo, o Egito tentava ser um pouco mais objetivo nos dez minutos finais. Aos 36, Salah arriscou de fora da área. A bola quicou e por pouco não complicou a vida de Diego Alves.

Por fim, os brasileiros só arriscaram um pouco mais depois que Mano Menezes adicionou sangue novo no time. O atacante Kleber acertou bola na trave aos 41 e, no rebote, Dudu exigiu grande intervenção de El Shenawy. Um minuto depois, o meia do Dynamo Kiev se lançaria novamente ao ataque, mas o goleiro egípcio salvou outra vez, mantendo os 2 a 0 no placar.

FICHA TÉCNICA

Egito 0x2 Brasil

Local: Estádio Ahmed Bin Ali, em Al-Rayyan (QAT)
Data: 14/nov, segunda-feira
Árbitro: Benjar Al Dosarii (CAT)
Cartões Amarelos: Wael Gomaa (Egito)
Gols: Jonas, aos 39’/1T; Jonas, aos 13’/2T

Egito
Ahmed El Shenawy; Ahmed Fathi, Wael Gomaa (Ahmed Said Okka, 40’/2T), Ahmed Hegazy e Mohamed Nassef; Hossam Ghaly (Ibrahim Salah, no intervalo), Hosny Abdrabou (Ahmed Hassan, aos 28’/2T), Ahmed Elmehamady e Shikabala (Abdullah Saied, 32’/2T); Mohamed Zidan (Waleed Soliman, no intervalo) e Emad Moteab (Mohamed El-Gabbas, no intervalo). Técnico: Michael Bradley

Brasil
Diego Alves; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Alex Sandro; Lucas Leiva, Fernandinho (Elias, 30’/2T), Hernanes e Bruno César (Willian, aos 28’/2T); Hulk (Dudu, 38’/2T) e Jonas (Kleber, 34’/2T). Técnico: Mano Menezes