O Chelsea parecia viver um 31 de janeiro satisfatório. Não trouxe grandes astros, mas melhorou o seu elenco com Emerson Palmieri e Olivier Giroud. Quando a bola rolou, entretanto, os torcedores tiveram todos os motivos para arrancar os cabelos. Antonio Conte sofreu sua derrota mais vexatória desde que chegou ao Stamford Bridge. Dentro de casa, os Blues foram amassados pelo Bournemouth. Engoliram um inapelável revés por 3 a 0, que não apenas breca as ambições dos londrinos na Premier League, assim como impulsiona as Cherries na sua luta contra o rebaixamento. A semana será longa nos corredores azuis.

Conte até pode reclamar dos desfalques, mas contou com alguns de seus destaques para a partida. Em meio aos às lesões, o italiano pôde alinhar Eden Hazard, N’Golo Kanté e Marcos Alonso, entre outros. O Bournemouth, entretanto, não se portou como um mero espectador na partida. Apertou a marcação e criou seus problemas aos anfitriões no início do primeiro tempo. Já aos 28, a dor de cabeça do treinador aumentou, ao perder Andreas Christensen por contusão. Ainda assim, os londrinos deram sua resposta pouco antes do intervalo e pareciam prontos a abrir o placar. Pedro até balançou as redes, mas o tento foi bem anulado.

O desastre se desenhou, por fim, no segundo tempo. O Bournemouth abriu o placar aos seis minutos. A partir de uma roubada de bola sobre Tiemoué Bakayoko, Callum Wilson tabelou com Jordon Ibe e tirou do alcance de Thibaut Courtois. A resposta de Conte foi imediata. Tirou Ross Barkley e mandou Cesc Fàbregas para a armação. Todavia, os Blues não apresentavam a eficiência das Cherries. Aos 19 minutos, Junior Stanislas anotou o segundo. Tabelou com Callum Wilson e mais uma vez superou Courtois.

Hora do tudo ou nada para o Chelsea? Não puderam nem pensar nisso. Afinal, o Bournemouth fez o terceiro logo depois, aos 22. Após cobrança de escanteio, Stanislas bateu rasteiro e Nathan Aké apareceu dentro da área para fechar a contagem. Depois disso, os Blues até insistiram para fazer o gol de honra, mas não conseguiram diminuir. Que Morata ou Giroud tenham feito falta, com Hazard sem funcionar como homem de referência desta vez, os problemas no ataque foram o de menos. Não dá para conceder tantos espaços na defesa, ainda mais contra um adversário tão modesto.

O vexame derruba o Chelsea para a quarta colocação, com os mesmos 50 pontos do Liverpool, mas ultrapassado justamente por piorar o seu saldo de gols. Além disso, o Tottenham vem no encalço. Já o Bournemouth chega aos 28 pontos, cinco acima da zona de rebaixamento, já buscando a metade de cima da tabela. E para quem mantém uma invencibilidade de seis jogos na liga, uma vitória dessas deixa a Championship cada vez mais distante no retrovisor. Pior para os Blues.