Leonardo Bonucci foi um dos grandes personagens do Juventus 3×1 Milan deste sábado, apesar da derrota de sua equipe. Era o primeiro encontro do zagueiro com a torcida bianconera desde que ele se mudou a Milão. E, apesar de toda a sua história na Velha Senhora, os juventinos não fizeram questão de tratá-lo bem, entre vaias e xingamentos. Assim, o veterano saiu à forra ao final do primeiro tempo. Marcou o gol que valeu o empate naquele momento e não se conteve na hora de comemorar, fazendo o gesto de “lave sua boca” – uma comemoração que aconteceu tantas vezes nos seus tempos em Turim, e pareceu especialmente sugestiva desta vez. Depois do duelo, o defensor falou sobre as sensações que experimentou na noite.

“Foi uma ocasião emocionante. Eu pensei que as boas vindas seriam meio a meio, mas eles preferiram me vaiar. Respeito isso, mas acho que ofereci bastante à Juventus ao longo de sete anos. Não tenho rancor dos torcedores, da mesma maneira que eles têm o direito de fazer o que bem entenderem. Foi uma partida intensa. Eu estava planejando não comemorar meu gol, mas as vaias mudaram minha cabeça. Fiz uma piada com meus ex-companheiros sobre a invencibilidade, porque eu estava no time da Juventus que permaneceu 979 minutos sem tomar gols”, afirmou Bonucci.

Além disso, o zagueiro afirmou que o entrosamento com o Giorgio Chiellini foi fundamental para balançar as redes, prevendo os movimentos do amigo: “Fui esperto. Meu marcador era o Chiellini e, sabendo que ele sempre se antecipa, dei meio passo à frente. Depois nos enroscamos e felizmente saltei mais que todos. É tanta amizade que até brincamos depois”.

Bonucci também analisou as diferenças entre os elencos: “Temos muitos jogadores jovens e precisamos de noites como esta para crescer. Logicamente, se o chute do Çalhanoglu tivesse entrado, estaríamos falando de uma partida diferente. A Juve possui opções como Cuadrado e Douglas Costa, que saíram do banco e mudaram o jogo. No Milan, criamos uma mescla entre jovens e experientes, mas, para dar um passo à frente, precisamos de jogadores que melhorem o nível de qualidade”.

Do outro lado, Gianluigi Buffon comentou o episódio. Demonstrou compreensão com as posturas, tanto da torcida quanto do antigo companheiro de clube: “Era inevitável que eles vaiassem Leo, faz parte do jogo e isso é aceito como normal atualmente. Ele marcou um belo gol. Leo não tem nada a provar e, se serviram para algo, as vaias motivaram ele a responder”. Desta vez, ao menos, os juventinos acabaram rindo por último.


Os comentários estão desativados.