O Tottenham tinha tudo para vencer mais uma vez e se manter próximo ao Liverpool na disputa pela ponta da Premier League. Tudo indicava que isso aconteceria depois do primeiro tempo, em que o Tottenham vencia por 1 a 0. Só que tudo virou no segundo tempo, os mandantes afrouxaram a corda e o Wolverhampton veio com fome, virou o jogo e sai de Wembley com uma vitória que certamente não será esquecida pelos torcedores dos Lobos.

LEIA TAMBÉM: Kasper Schmeichel sobre dono do Leicester: “Vichai era o tipo de dono que torcedores sonham em ter”

Aos 22 minutos do primeiro tempo, o Tottenham abriu o placar. Harry Kane recebeu na direita, puxou para o meio e finalizou boniot, de pé esquerdo, no ângulo: 1 a 0 para os Spurs. O time da casa mandava no jogo e era quem chegava com facilidade. O Wolverhampton tentava não dar espaço e parecia receoso em sair para o jogo dando espaço demais para Heung-Min Son correr com a bola. Manteve-se postado e viu o Tottenham ficar mais perto do gol.

No segundo tempo, o Tottenham perdeu uma grande chance de ampliar o placar, em um contra-ataque que tinha três contra um. Eriksen bobeou, errou o passe para Son e o zagueiro Conor Coady aproveitou para cortar o passe e o ataque. O jogo, porém, seguia como se o Tottenham fosse matar o jogo em algum momento.

Vieram então as substituições, que fizeram toda a diferença no jogo. Entrou Hélder Costa no lugar de Adama Traoré, aos 14 minutos. Depois, entrou João Moutinho no lugar de Leander Dendoncker. Duas alterações que fizeram com que o Wolverhampton passasse a ter mais controle do jogo, especialmente com Moutinho no meio-campo.

Ao lado de Rúben Neves, Moutinho passou a fazer os Wolves ficarem mais com a bola, aproveitando que o Tottenham parecia relaxado demais no jogo, apesar do placar apertado até ali. O empate logo veio, mas em uma jogada mais previsível: escanteio. Cobrança de João Moutinho, cabeçada do zagueiro Willy Boly, aos 27 minutos: 1 a 1.

O Tottenham não absorveu bem o golpe. Antes do gol já tinha mudado Dele Ali por Lucas Moura, mas o time não só não conseguia mais ficar com a bola, como também não conseguia contra-atacar com qualidade. Enquanto isso, o Wolverhampton parecia com a faca nos dentes. E foi para cima tentando a virada.

Foi assim que aos 28 minutos, Ivan Cavaleiro fez a jogada e tocou para Raúl Jiménez, que finalizou e deu um pouco de sorte: a bola desviou, foi no cantinho e o goleiro Hugo Lloris não chegou na bola: 2 a 1 para os Lobos. Agora, o Tottenham vivia um desespero. Não conseguia trocar passes e o Wolverhampton parecia se alimentar desses muitos erros para construir as jogadas.

Em um dos muitos erros de passe do Tottenham, o Wolverhamton fez o que o Tottenham não conseguiu fazer quando estava em vantagem: matar o jogo. Rúben Neves recuperou a bola pelo meio, tocou para Matt Doherty, que por sua vez colocou em profundidade para Hélder Costa. O português avançou e tocou de pé esquerdo, com categoria, para marcar 3 a 1, aos 42 minutos, e selar a vitória dos visitantes em pleno estádio de Wembley.

Uma viagem que os torcedores dos Lobos, em clara minoria, não esquecerão jamais. Aquele time que parecia abdicar do jogo no primeiro tempo, sem conseguir enfrentar o Tottenham de frente, foi voraz no segundo tempo para virar e matar o jogo. Uma vitória enorme, que faz o time chegar a 29 pontos, provisoriamente em sétimo lugar na tabela. O Tottenham, por sua vez, fica em 45 pontos e pode ser ultrapassado pelo Manchester City, caso o time de Pep Guardiola vença no domingo.