Bellingham: “Nenhum clube na Europa integra os jovens ao time principal como o Borussia Dortmund”

Aos 17 anos e cortejado por alguns dos maiores clubes do mundo, Jude Bellingham tomou a decisão que parece ser a melhor para qualquer jovem atleta de grande potencial no momento: se juntou ao Borussia Dortmund. Em entrevista ao Guardian publicada nesta terça-feira (3), o garoto, que já é figura importante no time principal aurinegro, reforçou que sua escolha, recusando o Manchester United, teve apenas um motivo: o tanto de oportunidades que o clube alemão oferece aos jovens.

[foo_related_posts]

Bellingham, que se transferiu do Birmingham ao Dortmund em julho deste ano, esteve em campo em todas as partidas da equipe na temporada até agora, com exceção do clássico contra o Schalke 04. Ao todo, tem nove jogos disputados, com um gol e duas assistências. O caminho livre que encontrou no Signal Iduna Park até a equipe titular do time principal dificilmente seria igual em qualquer outro canto.

“A maneira como eles integram os jogadores jovens ao time principal é outro nível. Não existe nenhum clube na Europa que faça isso como eles. A maneira como eles podem ser cobrados e também reintegrados. Eles revisam suas atuações. Tem uma pessoa lá para cada jogador, especialmente o Otto (Addo, ex-jogador do Dortmund e parte da comissão técnica atualmente), que trabalhou com os jogadores jovens. Ele é ótimo. Todo mundo tem esse sistema de apoio para trabalhar por uma chance na equipe principal”, exaltou Bellingham ao Guardian.

O meio-campista reforçou que sua escolha pelo Dortmund não foi em detrimento do Manchester United, mas sim uma opção convicta diante do histórico recente de oportunidades dadas pelos alemães a jovens talentos, com Jadon Sancho, que saiu da base do City para o time principal aurinegro e se tornou rapidamente um dos principais jogadores do mundo, sendo um grande exemplo.

“O Manchester United tem um grande elenco. Minha decisão não teve nada a ver com o United. Eu estava tão focado no interesse do Dortmund e tão feliz que essa se tornou minha primeira opção. Nunca foi sobre escolher um clube em vez de outro. Para mim, era apenas o Dortmund, e é isso.”

“A única coisa em que pensei ao tomar esta decisão foi em jogador futebol, e este era o melhor lugar para fazer isso”, completou.

Bellingham acredita que, assim como ele e Sancho, há vários outros jovens por aí que, se recebessem as devidas oportunidades, brilhariam no mais alto nível logo cedo, “mas eles não ganham essas chances por qualquer motivo que seja”.

“Eu sou quase um exemplo, assim como vários outros da nossa equipe principal no momento, de que é bom dar uma chance aos jovens, colocá-los para jogar e ver o que eles conseguem fazer. Porque acho que, conforme vamos aprendendo cada vez mais, existem vários outros (jovens) na Championship que podem lidar com isso.”

O meio-campista destacou que o impacto de ser “atirado” direto ao desafio do futebol profissional em uma grande liga europeia é sobretudo positivo em termos de mentalidade, forçando o atleta a amadurecer rapidamente para poder acompanhar os colegas de equipe.

“Talvez eu pareça maduro, mas quando você está no ambiente em que estou desde o ano passado e o começo desta temporada, você precisa crescer rapidamente, precisa deixar para trás hábitos infantis, porque espera-se que você esteja em certo nível parecido com o dos seus companheiros. Caso contrário, você estará os decepcionando, estará decepcionando a si mesmo e não irá maximizar sua própria habilidade.”

O projeto atrativo a jovens jogadores tem ajudado o Dortmund a recrutar bem nos últimos anos. Bellingham é apenas o nome mais recente de uma lista que conta com Ousmane Dembélé, Jadon Sancho, Erling Haaland e Reinier, este último por empréstimo. O caminho expresso ao time principal, por fim, contribui também para que os aurinegros segurem suas próprias crias da base, e esta temporada já tem seus destaques neste sentido, com Giovanni Reyna e Mateu Morey entre eles. Youssoufa Moukoko, sensação de 15 anos também da base, apenas espera seu aniversário para poder estrear – e sabe que, contanto que atue bem, deverá seguir tendo espaço.