A busca pelo pequeno fã de Messi que improvisou uma camisa do ídolo com uma sacola plástica parece ter chegado ao fim. Nas últimas semanas, a imagem do garoto viralizou por todo o mundo, dando início até a uma campanha espontânea para que o menino fosse encontrado e Messi lhe enviasse uma camisa original. Especulava-se que o local em que a foto foi tirada havia sido a cidade de Dohuk, na região do Curdistão, no Iraque, e uma emissora curda afirmou ter encontrado o garoto nesta semana. Entretanto, nesta terça, a BBC parece ter encontrado o verdadeiro paradeiro do menino, que seria do Afeganistão.

VEJA TAMBÉM: A foto que traduz a força mais natural do futebol

A BBC Trending, que investiga assuntos que viralizam nas redes sociais, vinha trabalhando para encontrar o menino desde que a foto começou a viralizar, e Azim Ahmadi, um afegão que vive na Austrália entrou em contato com o veículo, afirmando que o menino da foto é seu sobrinho Murtaza Ahmadi, de cinco anos, que vive no Distrito Jaghori, na província de Ghazni, no leste do Afeganistão.

mahmadi

Azim postou outras fotos do sobrinho, com a mesma camisa improvisada e o suéter que vestia por baixo na imagem que se popularizou nas redes, e fez a ponte entre a BBC e Arif Ahmadi, pai do garoto, para uma entrevista. Como imaginado, Arif revelou que a família não tinha dinheiro para comprar uma camisa de verdade para o garoto, que decidiu, então, improvisar. “Esta criancinha realmente ama Messi e o futebol. Não é possível que compremos uma camisa para ele, pois sou um simples fazendeiro. Então as crianças decidiram usar o plástico”, afirmou à BBC.

_87934106_messi2

O pai de Murtaza contou que o filho já sabe da fama que alcançou em todo o mundo por causa da foto, após alguns de seus amigos que têm acesso à internet terem reconhecido o coleguinha nas postagens. “Ele ouviu de amigos que têm internet. Chamaram-no e lhe contaram. Meu filho mais velho também espera que países estrangeiros nos ajudem a encontrar o Messi”, completou Arif.

Na versão apresentada pela emissora do Curdistão, a foto seria de dois anos atrás, e o garoto retratado nela se chamaria Homin. A diferença física do garoto com o que aparece na foto seria justificada, portanto, pelo tempo que passou desde então. Entretanto, as imagens e a história trazidas pela BBC parecem bem mais verossímeis, sem falar que a própria emissora britânica havia noticiado há alguns dias que a primeira pessoa a publicar a foto afirmando que era de Dohuk, no Iraque, reconheceu ter inventado a versão para dar visibilidade à região onde seus pais haviam crescido.

A BBC não se atreve a cravar que a história que apresenta é a verdadeira, mas traz elementos suficientes para induzir a essa conclusão. Independentemente da verdadeira origem da foto, vale ressaltar o ponto que realmente importa em toda a história: a força do futebol no imaginário de um garoto, que se permite sonhar ao acompanhar o ídolo.