Depois de dias conturbados que sucederam a conquista de mais um vice-campeonato da Copa América, a AFA definiu Edgardo Bauza como o novo técnico da Argentina. É fato que o ex-treinador do São Paulo não era a primeira opção dos dirigentes argentinos após o pedido de demissão de Tata Martino. No entanto, não deixa de ser uma excelente escolha. Ter conquistado duas Libertadores e alcançado a semifinal do torneio com três times que tinham lá suas limitações não é uma tarefa fácil, e é aí que entram os méritos de Patón. Logo que assumiu o comando da seleção bicampeã do mundo, Bauza se viu ante a um grande desafio: mudar a opinião de um dos maiores jogadores da história quanto à sua aposentadoria precoce da seleção.

LEIA TAMBÉM: Saída de Bauza pode obrigar o São Paulo a mudar de estilo mais uma vez

Na última semana, o técnico esteve em Barcelona para uma prosa com Lionel Messi, que decidiu, após o “fracasso” na Copa América Centenário, que não jogaria mais pelo seu páis.. E com o capitão sem braçadeira Javier Mascherano, também. “Fui à Espanha sabendo que Messi falaria comigo, nada mais”, disse Patón ao Deportes Télam. “Eu disse várias vezes que a ideia não era persuadi-lo sobre a aposentadoria, apenas ter uma conversa. Contei a ele minhas ideias”, acrescentou. “A conversa incluía a possibilidade do retorno à seleção, e no dia seguinte ele me ligou e me disse que voltaria”, falou ainda Patón. “Tanto Messi quanto Mascherano são muito comprometidos com a seleção argentina. Quando eles começaram a falar sobre futebol, ficou muito claro”.

Com a aproximação dos jogos contra o Uruguai e a Venezuela, pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, Bauza divulgou a lista de convocação e também falou sobre a expectativa em relação ao caminho até a Rússia. “A vantagem que nós temos é que contamos com um elenco de muita “jerarquia”, afirmou. O termo é frequentemente usado por Patón para definir jogadores que têm um histórico de peso, vencedor, de peso, e que têm moral nos clubes que jogam e já passaram. Segundo a lógica do técnico, a “jerarquia” é a chave de tudo. É ela que faz o time crescer. Mas quanto a isso ele não precisará se preocupar, já que tanto a equipe escolhida a dedo por Tata Martino quanto a que ele convocou (e muito bem, diga-se de passagem) se encaixam na ideia de Bauza.

Confira a lista de convocados por Edgardo Bauza para os jogos contra o Uruguai e Venezuela, mês que vem, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018:

Goleiros: Sergio Romero (Manchester United), Mariano Andújar (Estudiantes) e Nahuel Guzmán (Tigres).

Defensores: Facundo Roncaglia (Celta de Vigo), Mateo Musacchio (Villarreal), Ramiro Funes Mori (Everton), Emmanuel Mas (San Lorenzo), Marcos Rojo (Manchester United), Martín Demichelis (Espanyol), Pablo Zabaleta (Manchester City), Gabriel Mercado (Sevilla) e Nicolás Otamendi (Manchester City).

Meio-campistas: Matías Kranevitter (Atlético de Madrid), Javier Mascherano (Barcelona), Lucas Biglia (Lazio), Augusto Fernández (Atlético de Madrid), Ever Banega (Internazionale), Javier Pastore (PSG), Erik Lamela (Tottenham), Nicolás Gaitán (Atlético de Madrid), Ángel Di María (PSG).

Atacantes: Lionel Messi (Barcelona), Lucas Pratto (Atlético Mineiro), Ángel Correa (Atlético de Madrid), Sergio Aguero (Manchester City), Paulo Dybala (Juventus) e Lucas Alario (River Plate).

Trivela1