O Barcelona sofreu demais no jogo contra o Atlético de Madrid, algo que nos acostumamos a ver. Foram 80 minutos sem um grande jogo coletivo, procurando ideias, com um jogador a mais por mais de uma hora de jogo. O time de Diego Simeone foi valente e surpreendentemente ousado, com Jan Oblak segurando tudo que pôde. Só que nos últimos minutos, bastaram dois lances, de Luis Suárez e Lionel Messi, para determinar o placar por 2 a 0. Um placar que basicamente decide o título de La Liga.

A partida, como esperado, era bastante travado, de pouco espaço. Simeone armou um time com o meio-campo forte, com Rodrigo, Thomas Partey, Koke e Saúl. À frente, Antoine Griezmann e Diego Costa. Tudo para tentar complicar o Barcelona e vencer o jogo, o que diminuiria a diferença entre os dois times para cinco ponto se manteria a liga espanhola aberta.

Aos 13 minutos, Messi deu um passe preciso para Jordi Alba, nas costas da defesa, e o lateral tirou do goleiro, mas a bola tocou na trave e não entrou. A primeira grande chance do jogo. O Atlético de Madrid ficou em apuros quando, aos 28 minutos, Diego Costa foi expulso. O jogador foi reclamar do árbitro e disse poucas e boas para ele. Acabou expulso, deixando o time visitante com um a menos e muito tempo pela frente. Foi mais de uma hora de jogo com os Colchoneros com um jogador a menos.

Ainda no primeiro tempo, Simeone tornou o time mais ofensivo, mesmo com a expulsão. Tirou o lateral direito Santiago Arias e colocou o atacante Ángel Correa. Tentou, apesar da desvantagem numérica, conseguir ainda um gol que poderia mudar a história do campeonato. E o time foi valente, como sempre.

Depois de ir para o intervalo no empate por 0 a 0, Simeone não demorou a tornar o time um pouco mais ofensivo e arriscar mais ainda. Colocou Álvaro Morata no lugar de Filipe Luís, aos 13 minutos de jogo do segundo tempo. Ficou sem laterais e o time ficou muito mais ofensivo, tentando arriscar. O time batalhava para se manter vivo no jogo e no campeonato, mas chegava pouco ao ataque.

O Barcelona sofria, mas conseguiu um gol importante aos 39 minutos. Luis Suárez recebeu de Jordi Alba do lado esquerdo e, de fora da área, chutou bem no canto, preciso, com a bola passando rente à trave. O gol que destravou o jogo: 1 a 0. Logo em seguida, aos 41 minutos, o Barcelona contra-atacou com precisão e, aí sim, decidiu o jogo. Nelson Semedo interceptou um lançamento, tocou para Sergio Busquets, que colocou em profundidade para Messi, nas costas de Saúl Ñíguez, naquele momento, um ala esquerdo. O camisa 10 tentou o chute, a bola bateu em José Giménez e sobrou para ele mesmo, que ajeitou de novo e chutou como uma tacada de bilhar, precisa, leve, tirando o peso da bola e colocando no canto. Oblak, outra vez, não teve como buscar.

O Atlético já não tinha o que fazer àquela altura. O resultado acaba praticamente decidindo La Liga. O Barcelona chega a 73 pontos e abre 11 de diferença para o Atlético de Madrid, que tem 62. O Real Madrid vem em seguida com 60. A sete rodadas do fim, só um milagre tira o título do Camp Nou.

Além do título, Messi e Suárez caminham com tranquilidade na liderança da tabela de artilheiros. Messi chegou a 33 gols (de 81 que o Barcelona fez, 41% do total), continua muito à frente dos demais. Luis Suárez chegou a 20 gols (25% do total de gols do Barcelona), dois à frente de Cristhian Stuani, do Girona, que tem 18, e três à frente de Karim Benzema, do Real Madrid, que tem 17.