Pela primeira vez desde que o tradicional relatório anual Football Money League, da consultoria Deloitte, é publicado, o Barcelona apareceu como o clube que mais arrecadou no mundo, no período abrangendo a temporada 2018/19. Os catalães deram um salto de 22% (€ 150,4 milhões) em relação ao ano anterior, atingindo € 840,8 milhões. O Barça foi a primeira equipe a registrar receitas de mais de € 800 milhões no levantamento da Deloitte.

Os rendimentos recordes do Barcelona se devem principalmente ao salto nas arrecadações da operação comercial, com a Deloitte atribuindo a ascensão à nova estratégia dos blaugranas de levar para dentro do clube as operações de licenciamento e produtos, tendo mais autonomia na gestão dessas vias. Nas operações comerciais, o rendimento foi de € 383,5 milhões, um aumento de 19% em relação ao período anterior.

A renda com direitos de transmissão também subiu, em 34% (€ 75,1 milhões) mais especificamente, graças ao começo do novo acordo de TV da Champions League em 2018/19 e à campanha semifinalista na competição.

Outra alteração importante no ranking foi a ascensão do Tottenham. O clube, finalista na última Liga dos Campeões, ficou na 8ª colocação, sua melhor posição desde que o relatório é feito, em 1996/97. Com rendimentos de € 521,1 milhões, os Spurs foram o time de Londres que mais arrecadou, ultrapassando Chelsea e Arsenal, 9º e 11º respectivamente, com € 513,1 milhões e € 445,6 milhões.

No total, as receitas do Tottenham subiram 21% (€ 93,2 milhões), com os ganhos comerciais e de direitos de transmissão capitaneando a ascensão. No primeiro, o aumento foi de € 50,4 milhões (22%); no segundo, de € 35,8 milhões (30%).

As melhorias se deveram tanto à campanha finalista na Champions League quanto a novos acordos comerciais com os principais patrocinadores do clube, AIA e Nike. A Deloitte espera que o crescimento dos Spurs continue, com a renda com estádio inevitavelmente subindo, já que a equipe não disputou toda a temporada passada em sua nova casa, com 62.062 lugares.

O Manchester United manteve sua terceira colocação, tendo um aumento de 6% em rendimentos em relação ao ano anterior e arrecadando € 711,5 milhões. A Deloitte aponta, no entanto, que o clube corre o risco de ser ultrapassado no ranking, já que sua receita prevista para 2019/20 é de € 653 milhões a € 677 milhões – e de mesmo perder o posto de clube inglês com maior faturamento, com os rivais Liverpool e Manchester City batendo à porta.

Apesar da boa perspectiva de possivelmente ultrapassar o rival da cidade nos próximos rankings, os Cityzens perderam uma posição em relação ao ano passado, graças ao crescimento de outro novo gigante. O PSG tomou o 5º lugar do Manchester City principalmente impulsionado pelo aumento nas rendas comerciais. A Deloitte destaca que os parisienses assinaram com cinco novos parceiros, além de renovar contratos com outras seis marcas globais. O salto em renda comercial foi de € 50 milhões (16%), e o clube teve a segunda maior arrecadação comercial da história do relatório, com € 363,4 milhões.

A consultoria aponta ainda que o Paris Saint-Germain tem se destacado na indústria do futebol por romper com o status quo, ganhando relevância cultural a partir de sua incursão no mundo da moda e do lifestyle, sobretudo por meio da parceria com a Jordan.

Em termos gerais, o relatório aponta uma quantia recorde levantada pelos 20 clubes mais ricos do mundo. Juntos, eles alcançaram € 9,3 bilhões, um aumento de 11% (€ 939 milhões) em relação ao ano anterior. A lista se manteve estável, e Lyon (17º) e Napoli (20º) foram as únicas duas novidades no ranking.

Confira abaixo a lista com os 20 clubes que mais arrecadaram em 2018/19 e seus respectivos faturamentos, em milhões de euros. Para ver o relatório na íntegra, basta clicar aqui.