O Barcelona vem adotando uma nova formação em campo desde que sofreu a goleada por 4 a 0 para o Paris Saint-Germain. O 3-4-3, sem laterais, passou a ser o esquema tático usado por Luis Enrique para tentar as vitórias. Vem funcionando e o time tem se encontrado mais em campo, ainda que sinta alguns desequilíbrios. Neste domingo, o time conseguiu mais uma vitória, desta vez contra o Valencia por 4 a 2. Mais que a tática, o que serviu ao time catalão, mais uma vez, foi o talento do seu ataque. Um time que se arrisca, ataca, se expõe e busca gols como se soubesse que fazer poucos gols não será suficiente. Funcionou mais esta vez.

LEIA TAMBÉM: Atlético de Madrid foi um leão que devorou o Sevilla no Calderón

Luis Enrique escalou o time sem laterais e com Rafinha fazendo o lado direito. O croata Ivan Rakitic ajudou o meio-campista brasileiro a fazer aquele lado direito, fechando na marcação por ali para encurtar os espaços adversários. O Valencia, usando duas linhas de quatro, tentou pressionar o time blaugrana no Camp Nou e fez com que a saída de bola fosse mais difícil. E o jogo foi uma troca de chumbo forte, ao menos enquanto o Valencia conseguiu.

Quem abriu o placar foi o Valencia, em um lance de bola parada. Daniel Parejo cobrou escanteio na cabeça de Eliaquim Mangala, que tocou para marcar. O zagueiro francês acabaria sendo um personagem importante neste primeiro tempo.

O gol de empate saiu de um lance inteligente de Neymar. Ele cobrou um lateral bem na frente, já que não há impedimento, e deixou Neymar em grande situação para arrematar para o gol. O uruguaio, ágil, tocou bem no cantinho e marcou 1 a 0, aos 35 minutos.

Depois, Mangala apareceu: tomou um amarelo aos 39 minutos em falta em Messi. Aos 44, fez pênalti em Luis Suárez, impedindo uma chance de gol. Foi expulso. Messi cobrou e marcou, virando o jogo para o Valencia. Uma vantagem, porém, que não duraria até o intervalo. Aos 46 minutos, o lateral José Gayá fez uma boa jogada pela esquerda e cruzou rasteiro para Munir El Haddadi marcar e voltar a deixar o marcador igual.

Logo no início do segundo tempo, veio o terceiro gol do Barcelona. Javier Mascherano passou a bola para Messi, que fintou na frente do marcador, puxou para o pé direito e chutou forte, entre o goleiro Diego Alves e a trave. Um gol mais raro de Messi com o pé direito em um chute forte, que recolocou o time em vantagem.

Com um a mais em campo, e vantagem no placar, o jogo era todo do Barcelona. O jogo era duro, mas o Barcelona foi melhor. Neymar, buscando muito o jogo, criou chances de gol para o time. O estilo de jogo agressivo ainda expunha o time, que chegou a tomar contra-ataques perigosos. Um deles viu Munir no mano a mano com Piqué, mas o atacante do Valencia – emprestado pelo Barcelona – desperdiçou.

Veio, então, o gol que selou a vitória de vez. Aos 44 minutos, Neymar fez a jogada pelo lado esquerdo e rolou para dentro da área, com açúcar e com afeto, para André Gomes marcar. Mais uma lei do ex ativa na partida. Se Munir não comemorou muito o gol contra o Barcelona, André Gomes também não o fez contra o Valencia. Fechou o placar em 4 a 2.

O 3-4-3 não é bem um achado de Luis Enrique para arrumar taticamente o Barcelona. É um improviso diante de um elenco que acabou mal planejado com um técnico que não fez o time render bem na formação que usou em anos anteriores. Sem um lateral direito confiável – ou saudável –, o técnico do Barcelona não achou um jeito de equilibrar o time. A atuação ruim de Sergi Roberto no jogo de ida contra o PSG mostrou ao técnico que escalar o jogador na lateral direita era uma má opção. Então, veio este 3-4-3, torto, mas que serve para tentar dar um rumo ao time até o final da temporada.

Resta saber como o esquema um tanto suicida do Barcelona se portará diante de times mais fortes. O clássico com o Real Madrid no segundo turno será no estádio Santiago Bernabéu, casa do adversário, no dia 23 de abril. Pode ser decisivo para o Campeonato Espanhol, dado que a diferença entre os dois times ser, neste momento de dois pontos – embora o time de Madri tenha um jogo a menos.

Na Champions League o teste também será muito duro. A Juventus talvez seja o time europeu que melhor defende entre os grandes times. Tem alguns dos melhores defensores do mundo e sabe muito bem tirar espaços dos adversários. E vai muito além da defesa, com jogadores ofensivos e criativos, como o jovem Paulo Dybala. Deve ser um grande desafio ao Barcelona e o seu esquema de jogo franco e aberto.

Por enquanto, o que vai levando o Barcelona às vitórias é o seu talento. O trio de ataque foi muito bem em campo, com dois gols de Messi e um de Suárez, além do gol de André Gomes. Quem acha que Neymar não vem jogando bem precisa começar a ver mais jogos do Barcelona. Ele completou 10 assistências com o passe que deu ara André Gomes marcar o quarto gol do Barcelona. Chegou a 19 assistências em todas competições. Mais do que qualquer outra competição.Ele tem sido o jogador a consertar o esquema de Luis Enrique, tantas vezes desequilibrado.