Barcelona desafia punição da Uefa e promete mais bandeiras pró-independência da Catalunha

O clube foi punido duas vezes por ostentar esse símbolo, e vai fazer mais protestos contra o Bate Borisov

O Barcelona e sua torcida misturam-se com a política da Espanha quando o assunto é a independência da Catalunha. Na final da Copa do Rei contra o Athletic Bilbao, para ficar em exemplos recentes, os catalães juntaram-se aos bascos para vaiar o hino espanhol, e bandeiras que defendem a separação foram exibidas na final da Champions League contra a Juventus, e nesta temporada, no jogo contra o Bayer Leverkusen. E a simples expressão de um sentimento rendeu duas sanções da Uefa contra o clube.

LEIA MAIS: O Villanovense peitou o Barcelona para arrancar um empate monumental na Copa do Rei

A entidade europeia aplicou multas de  € 30 mil no primeiro caso e de  € 40 mil na reincidência, o que deixou o clube e os torcedores possessos. O vice-presidente do Barça, Carles Vilarrubi, chegou a dizer que apelaria da punição na Corte de Direitos Humanos de Estrasburgo. “Você não pode impedir as pessoas de fazerem o que elas querem na sua própria casa”, afirmou, em referência às bandeiras da partida contra os alemães, no Camp Nou.

E o clube não ficará apenas no discurso. Para a partida contra o Bate Borisov, pela Champions League, na próxima quarta-feira, serão distribuídas 20 mil “estelades”, como são chamadas as bandeiras da independência em catalão, e duas faixas ficarão estendidas atrás dos gols: “Respeito pelos símbolos da Catalunha” e “Liberdade de expressão”.

A desobediência do Barcelona provavelmente resultará em outras punições econômicas da Uefa, que não pode interditar setores do Camp Nou por causa disso, mas há uma discussão mais importante a ser vencida, que é a censura à livre manifestação de ideias e posicionamentos durante um jogo de futebol.