Um dos dois grandes beneficiários do atual sistema de venda de direitos televisivos do futebol espanhol, o Barcelona faz parte do grupo que quer uma divisão mais equitativa da grana. Mas não seja ingênuo ao ponto de achar que se trata de puro altruísmo. O clube enxerga uma limitação no poder de barganha dos espanhóis se a situação continuar como está agora. Presidente dos culés, Josep Maria Bartomeu reforçou a intenção da agremiação de que se institua as negociações nos moldes das feitas pelo futebol inglês, centradas na liga, e não nos clubes separadamente.

VEJA TAMBÉM: Os 10 maiores golaços nos 115 anos do Ajax

Bartomeu poderia ser todo demagogo ao falar do assunto, pregando a diminuição da desigualdade financeira no futebol espanhol por si só. No entanto, foi direto ao ponto: o Barcelona não tem condições de, por conta própria, bater de frente com os valores crescentes a cada acordo no Campeonato Inglês. “Em um nível econômico, o Barcelona, sozinho, não pode competir com a Premier League. É La Liga que tem que competir com a Premier League. Então nos juntamos para pressionar por esse novo formato, com o objetivo principal sendo aumentar o número de assinantes do pay-per-view”, afirmou Bartomeu em entrevista ao jornal inglês Independent.

Atualmente, o acordo do Campeonato Espanhol está avaliado em € 755 milhões. Só o Barcelona recebe € 140 milhões desse montante, mesmo valor recebido pelo Real Madrid. O Valencia, terceiro no ranking dos que mais ganham com os direitos de TV, ganha apenas € 48 milhões, basicamente três vezes menos que cada um dos dois times. Esse desequilíbrio é prejudicial à competitividade do torneio e ao seu nível de apelo, e Bartomeu acredita que isso precisa ser consertado para que a busca por valores mais altos de seu próprio time não esteja limitada pelo nível da liga em si.

“Na Inglaterra, há cerca de 14 ou 15 milhões (de assinantes de pay-per-view). Na Espanha, apenas 2,5 milhões. A força de uma liga não está apenas em suas estrelas, mas no número de pessoas dispostas a pagar para assisti-la. Temos dois grandes clubes, Real Madrid e Barça, e precisamos que outros clubes continuem crescendo. O Atlético de Madrid teve uma grande temporada na temporada passada, e o Valencia está tendo nessa. Temos que ser tão atrativos quanto a Premier League”, completou.

O novo acordo de TV do Campeonato Inglês, de € 6,9 bilhões em três temporadas, parece ter forçado as outras grandes ligas a discutir sua situação. A Bundesliga já falou em buscar valores melhores para diminuir a distância, e agora a conversa sobre uma mudança no tão famigerado esquema espanhol está mais forte do que nunca. E quando o próprio Barcelona se posiciona a favor dessa mudança, com prejuízo ao clube a curto prazo, mas muito potencial para crescimento a médio e longo prazo, dá para esperar que as coisas finalmente estejam se dirigindo para um progresso.