O jogo entre Leeds e Aston Villa teve uma série de polêmicas na Championship, a segunda divisão inglesa. A maior delas o gol marcado quando se esperava Fair Play e, em seguida, o gol dado ao adversário porque o técnico Marcelo Bielsa mandou deixar. Só que no lance do gol polêmico marcado pelo Leeds, houve uma confusão que acabou gerando uma expulsão. Patrick Bamford simulou que foi agredido por Anwar El Ghazi ao cair no chão com a mão no rosto. O árbitro acabou expulsando o jogador do Aston Villa por agressão. Bamford foi denunciado por agressão e pode ser punido.

Segundo a BBC, o cartão foi retirado do jogador e Bamford foi punido por simulação. Nos termos publicados pela Football Association (FA), a punição é por “ter enganado um oficial de jogo”. Em comunicado, a FA justificou a decisão. “É alegado que o comportamento do jogador do Leeds United no minuto 72 do jogo, que envolveu um ato claro de simulação que levou Anwar El Ghazi a ser expulso, equivale a conduta imprópria”.

Se considerado culpado ou se o jogador aceitar a punição, ele servirá uma suspensão de dois jogos. Isso faria com que o atacante ficasse fora do último jogo da temporada regular e também o primeiro jogo dos playoffs da Championship.

Além da punição a Bamford e a retirada do cartão de El Ghazi, os dois clubes também foram denunciados por não garantir que seus jogadores se comportassem de maneira apropriada após o gol do Leeds. Os dois clubes podem recorrer das punições até a sexta-feira.

O técnico Dean Smith, do Aston Villa, elogiou a postura do técnico do Leeds, Marcelo Bielsa, por ter pedido que os seus jogadores permitissem o gol de empate. “No fim, a decisão certa prevaleceu”, afirmou o treinador à BBC. “Primeiro e antes de tudo, o árbitro tomou uma péssima decisão porque Jonathan [Kodjia] sofreu falta no círculo central. Se ele dá a falta, nada acontece e nós apenas seguiríamos no jogo”, disse.

“Mas infelizmente, ele não marcou e então Tyler Roberts deveria ter colocado a bola para fora porque seus jogadores na verdade pararam e nossos jogadores pararam também. Ele finge que vai desistir antes de decidir colocar a bola na direção da linha de fundo. Klich vai e marca e todo o controle emocional acabou para todo mundo. Ninguém quer ver isso”, declarou ainda o técnico Dean Smith do Villa. “Todo respeito por Marcelo por fazer isso”, afirmou Smith. “Eu acho que o espírito esportivo prevaleceu uno fim”.

O ponto importante aqui é que uma expulsão que acabou sendo injusta foi revertida. O jogador teve o seu cartão revertido e o adversário, que simulou para gerar a expulsão, vai ser punido com algo mais grave do que a expulsão que ele causou. Isso nos faz pensar, porque quem simula vai ter que pensar duas vezes antes de cometer esse ato de novo. É uma boa reflexão. E, parece, uma boa política.