Gareth Bale não atua pelo Real Madrid desde o começo de outubro, graças a uma lesão na panturrilha, e o fato ter se apresentado para os próximos e decisivos dois jogos do País de Gales mesmo assim gerou críticas na Espanha. Como faz tempo que Bale não faz questão de ser político para preservar sua relação com os merengues, ele admitiu que prefere atuar pela sua seleção do que pelo clube espanhol.

O jornal Marca foi um dos críticos mais explícitos, com a manchete irônica “O Milagre em Gales”. Destacou que Bale treinou normalmente com a seleção desde o primeiro dia, embora não estivesse fazendo isso com o Real Madrid. O ex-jogador e diretor de futebol Pedrag Mijatovic chegou a dizer que ele prioriza Gales e até mesmo o golfe, seu hobby favorito.

Bale afirmou que ter se recuperado a tempo de defender Gales contra Azerbaijão e Hungria, duas partidas em que a vitória é obrigatória para conseguir uma vaga na Eurocopa, foi apenas uma coincidência, mas que realmente se sente mais confortável com a seleção, inclusive porque fala sua língua materna – uma das críticas a Bale no Real Madrid é não se comunicar bem em espanhol.

“Com Gales, eu falo minha própria língua e me sinto mais confortável. Eu definitivamente fico mais animado jogando por Gales. Estive com a maioria dos jogadores, especialmente os mais velhos, desde que estávamos no sub-17. É como jogar com seus amigos no parque em um domingo. Mas isso não muda o que dou em campo. Sempre dou 100%, onde estiver. É o que sempre me esforço para fazer”, disse.

“Eu tentei entrar em forma o mais rápido que pude. Se tivesse um jogo do Real Madrid esta semana, eu estaria disponível para treinar e jogar. Talvez para eles (imprensa espanhola) pareça estranho, mas é apenas meio coincidência que a seleção venha esta semana e que eu tenha retornado completamente aos trenos. Se estou em forma, onde estiver, tentarei jogar, seja por Gales ou pelo Real Madrid. Não tive que pensar muito. Se estou em forma para jogar, darei o meu melhor”, completou.

Bale afirmou que não liga para as críticas da imprensa espanhola e, na verdade, as considera muito engraçadas. “Eu ouvi algumas histórias, mas eu não reparo. Meus amigos me mandam algumas imagens engraçadas ou o que eles escrevem. Acho hilário, na verdade, especalmente algumas coisas que meus amigos me mandam. Em uma delas (uma capa do Marca), dizia ‘triple bogey’ (termo de golfe). Eu nunca fiz um triple bogey! Pelo menos me deem um albatross (outro termo de golfe)! É engraçado. Algumas das coisas que vejo, as pessoas não entendem e não sabem do que estão falando, então eu só acho engraçado”, afirmou.

Para chegar à Eurocopa, Gales precisa vencer Azerbaijão, fora de casa, e a Hungria, em casa, e ainda torcer para que a Eslováquia perca pontos contra a Croácia, neste sábado, ou contra o Azerbaijão, na terça-feira. “Entendemos quão grandes são esses jogos. Eu fiz reabilitação, fiz uma semana inteira de treinos. Obviamente, há dois jogos grandes e não tenho certeza se conseguirei jogar os 90 minutos de ambos, mas farei meu melhor para jogar o quanto puder.

“Entendo a posição em que estou. Fiz o máximo que pude para tentar voltar o mais rápido possível. Fizemos 11 contra 11 para que eu tivesse um pouco de ritmo de jogo. Estou tão preparado quanto posso estar. A única coisa que posso fazer é dar meu melhor, o que eu sempre faço”, encerrou.