Em Portugal, ao contrário do que ocorre em várias ligas importantes da Europa, a virada do ano não significa que o campeonato nacional chegou à sua metade. Quando a Liga Portuguesa foi paralisada para as festas de Natal e Ano Novo, o primeiro turno ainda estava em pleno andamento – ele só terminou nesta quarta-feira (23 de janeiro), com a realização da partida atrasada entre Vitória de Setúbal e Porto. Nesta primeira parte do balanço da “primeira volta”, como os portugueses chamam o turno inicial do campeonato, analisamos o desempenho de oito equipes. Entre elas, o Benfica – que disputa o título palmo a palmo com o Porto –, o Braga (se consolidando como a terceira força do futebol português) e o virtual rebaixado Moreirense.

Acadêmica

Colocação no final do 1º turno: 10º lugar – 3v, 7e, 5d
Treinador: Pedro Emanuel
Maior vitória: 4 x 2 Vitória de Setúbal (em casa), 05/01/2013
Maior derrota: 1 x 4 Braga (em casa), 10/12/2012
Destaque: Edinho (A)
Artilheiro: Edinho, com 9 gols
Competições europeias: Liga Europa (eliminado na fase de grupos)
Nota: 3

Os resultados obtidos pela Acadêmica ficaram bem abaixo daquilo que era esperado antes da temporada começar. Era claro que o time não brigaria entre os primeiros colocados, mas o embalo adquirido no final da temporada passada, com o título da Taça de Portugal, dava a impressão de que a campanha poderia ser melhor. Sem grandes nomes no elenco e com baixo orçamento, os estudantes precisaram se dividir entre as competições nacionais e a Liga Europa. Na Liga Portuguesa, o time passou mais de dois meses sem vencer e chegou a frequentar a zona do rebaixamento. O ponto positivo é a boa participação da torcida, que deve aumentar ainda mais no segundo turno, pois a diretoria colocou à venda um pacote de todos os ingressos para os jogos em casa por € 25.

Beira-Mar

Colocação no final do 1º turno: 13º lugar – 3v, 5e, 7d
Treinador: Ulisses Morais
Maior vitória: 4 x 2 Nacional (fora), 04/11/2012
Maior derrota: 4 x 0 Porto (fora), 22/09/2012
Destaque: Abel Camará (A)
Artilheiros: Abel Camará e Javier Balboa, com 4 gols
Competições europeias: não disputou
Nota: 3

A primeira metade da temporada foi terrível para o Beira-Mar e, o que é pior para sua torcida, as coisas parecem longe de melhorar no segundo turno. Apesar de ter fechado o turno inicial em 13º lugar, ou seja, fora da zona de rebaixamento, o clube freqüentou a área da degola em seis das 15 rodadas. Só conseguiu uma vitória em casa. Para piorar a situação, o elenco, que já era fraco, vai ficar ainda mais debilitado. O zagueiro francês Sasso foi negociado com o Braga e o lateral Joãozinho partiu para o Sporting. Vindo por empréstimo do Braga, o atacante Yazalde é a esperança de gols para salvar o time do rebaixamento.

Benfica

Colocação no final do 1º turno: 1º lugar – 12v, 3e, 0d
Treinador: Jorge Jesus
Maior vitória: 5 x 0 Vitória de Setúbal (fora), 26/08/2012
Maior derrota: não teve
Destaque: Óscar Cardozo (A)
Artilheiro: Óscar Cardozo, com 13 gols
Competições europeias: Liga dos Campeões (eliminado na fase de grupos); Liga Europa (disputa os 16-avos de final)
Nota: 9

Líder, invicto e dono do melhor ataque. Em se tratando de Campeonato Português, a primeira metade da temporada do Benfica só não foi perfeita por causa do empate em casa com o Porto, um 2 a 2 em casa que pode prejudicar o time lá na frente (o confronto direto, com gols marcados fora, é o primeiro critério de desempate). Jorge Jesus conseguiu fazer da pressão inicial um combustível para a equipe render mais. E Óscar Cardozo, que chegou à marca de cem gols pelo clube na Liga Portuguesa, é o diferencial, dono da melhor média de gols do campeonato: um por partida.

Braga

Colocação no final do 1º turno: 3º lugar – 9v, 2e, 4d
Treinador: José Peseiro
Maiores vitórias: 4 x 1 Vitória de Setúbal (em casa), 20/01/2013; 4 x 1 Acadêmica (fora), 10/12/2012; 4 x 1 Rio Ave (em casa), 23/09/2012
Maior derrota: 0 x 2 Porto (em casa), 25/11/2012; 0 x 2 Paços de Ferreira (fora), 02/09/2012
Destaque: Hugo Viana (M)
Artilheiro: Éder, com 9 gols
Competições europeias: Liga dos Campeões (eliminado na fase de grupos)
Nota: 7

Regularidade é a palavra que melhor define o primeiro turno feito pelo Braga, que se consolidou como a terceira força do futebol português no momento. Não à toa, o time passou 13 das 15 rodadas justamente no terceiro lugar da competição – posição que ocupa, aliás, desde a quarta rodada do campeonato. Com uma equipe bem armada por José Peseiro e muito forte dentro de casa (perdeu apenas cinco pontos em seu estádio), a tendência é que o Braga se mantenha nesta posição e obtenha mais uma vez a vaga na Liga dos Campeões. Também pode ser o fiel da balança na equilibrada disputa pelo título, entre Porto e Benfica.

Estoril

Colocação no final do 1º turno: 7º lugar – 5v, 3e, 7d
Treinador: Marco Silva
Maior vitória: 3 x 0 Vitória de Setúbal (em casa), 07/12/2012
Maior derrota: 3 x 0 Braga (fora), 16/12/2012
Destaque: Licá (A)
Artilheiro: Luís Leal, com 7 gols
Competições europeias: não disputou
Nota: 7

Aquele velho chavão de que “nem o mais otimista dos torcedores acreditava” cabe bem à campanha do Estoril. De volta à primeira divisão, parecia claro que o time apenas brigaria para não cair. Mas os canarinhos fizeram muito mais do que isso. Permaneceram na área intermediária da tabela durante quase todo o primeiro turno – o time só esteve na zona de rebaixamento ao final da primeira rodada, quando tudo ainda está muito embolado. Com a injeção de dinheiro da Traffic e o apoio de uma torcida apaixonada, o Estoril, quarto melhor ataque do campeonato, dá pinta de que pode até brigar por uma vaga na Liga Europa.

Gil Vicente

Colocação no final do 1º turno: 11º lugar – 3v, 6e, 6d
Treinador: Paulo Alves
Maior vitória: 4 x 3 Moreirense (em casa), 30/09/2012
Maior derrota: 3 x 0 Benfica (em casa), 27/10/2012
Destaque: Cláudio (D)
Artilheiro: Cláudio, com 4 gols
Competições europeias: não disputou
Nota: 4

A curva descendente no gráfico da classificação rodada a rodada traduz a preocupação dos torcedores do Gil Vicente para o segundo turno. De quarto colocado na 6ª rodada, o time foi caindo cada vez mais, até chegar à penúltima posição – ainda se recuperou um pouco e fechou o turno inicial em 11º. O problema no ataque, que foi crônico na temporada passada, continua. Tanto que é novamente de um defensor (o brasileiro Cláudio) a liderança da artilharia da equipe, que fez apenas 14 gols. A esperança para resolver o problema é Hugo Vieira, que já vestiu a camisa do Gil Vicente e agora volta ao clube, emprestado pelo Benfica.

Marítimo

Colocação no final do 1º turno: 9º lugar – 4v, 6e, 5d
Treinador: Pedro Martins
Maior vitória: 2 x 0 Nacional (em casa), 09/12/2012
Maior derrota: 5 x 0 Porto (fora), 02/11/2012
Destaque: Roberge (D)
Artilheiros: Adilson, João Guilherme, David Simão, Fidélis e Rafael Miranda, com 2 gols
Competições europeias: Liga Europa (eliminado na fase de grupos)
Nota: 4

Nas contas do técnico Pedro Martins, 18 pontos no primeiro turno é o mínimo que um time precisa para ter fôlego de brigar por uma vaga na Liga Europa. O Marítimo chegou à essa pontuação, mas nem por isso o torcedor deve ficar despreocupado. A campanha foi muito irregular, com apenas quatro vitórias e a “cereja no bolo” de ser o pior ataque do campeonato. A favor do Marítimo (que acaba de contratar o atacante sul-coreano Suk Hyun-Jun, ex-Ajax e Groningen) está a fragilidade dos adversários diretos. Por isso, o time tem boas chances de passar longe do rebaixamento. Já o sonho da Europa, mesmo com as contas de Martins, é bem mais difícil de se concretizar.

Moreirense

Colocação no final do 1º turno: 16º lugar – 1v, 5e, 9d
Treinador: Jorge Casquilha
Maior vitória: 3 x 1 Nacional (em casa), 26/08/2012
Maior derrota: 5 x 0 Vitória de Setúbal (fora), 13/01/2013
Destaque: Nabil Ghilas (A)
Artilheiro: Nabil Ghilas, com 7 gols
Competições europeias: não disputou
Nota: 1

Time que menos venceu (apenas uma vez) e o que mais perdeu (nove vezes), o Moreirense só escapa do rebaixamento se conseguir um milagre. Sua diferença para as primeiras equipes que estão fora da zona da degola é de seis pontos e o futebol apresentado não é capaz de dar a menor esperança ao torcedor. O técnico Jorge Casquilha já avisou publicamente que precisa de reforços para tentar uma reviravolta improvável. Enquanto eles não chegam, o time segue na dependência do atacante argelino Nabil Ghilas, autor de metade dos gols do Moreirense no campeonato. E o retorno à segunda divisão, de onde a equipe veio na temporada passada, fica cada vez mais próximo.