Sempre costumo pensar sobre como a seleção brasileira teve sorte com seus “carrascos” em Copas do Mundo. É impossível criar um sentimento negativo com muitos deles. Obdulio Varela, o homem que se compadeceu com o povo nas ruas do Rio de Janeiro, horas depois de receber a Jules Rimet. Alcides Ghiggia, o autor do gol que silenciou o Maracanã, mas que respeitou e amou os brasileiros. Zinedine Zidane, o craque que pairou no Stade de France para nunca esquecermos de sua genialidade. E assim se repete com Eusébio, Paolo Rossi e tantos outros. Também com os alemães, que nos impuseram a pior derrota em 2014, mas, em contrapartida, nos deram a maior lição de humanidade e abraçaram a identidade brasileira como nenhum outro time fez – nem mesmo o nosso.

Há, contudo, o outro lado. O lado daqueles que sucumbiram para abrir caminho à glória da Seleção em cinco Mundiais. E, da mesma maneira, o Brasil não poderia contar com melhor “carrasco às avessas”. O pênalti desperdiçado por Roberto Baggio é o sacrifício que permitiu o tetra. Justo ele, um craque de tamanha grandeza e qualidade técnica que caberia perfeitamente em nossa camisa 10. Justo ele, homem de enorme caráter e filosofia de vida respeitabilíssima. Justo ele, um cara que amou tanto o futebol e se esforçou tanto para completar seus sonhos, assim como os de torcedores. É uma pena que o sucesso da geração de Romário tenha custado a queda de um gênio.

Neste sábado, Roberto Baggio completa 50 anos. E, entre as homenagens ao craque, traduzimos uma carta que ele escreveu em 2013, durante sua participação no tradicional Festival de Sanremo. O italiano endereça suas palavras à juventude, mas oferece a todos, jovens ou velhos, várias lições de vida. Também nos garante uma breve e contundente mostra do grande homem que é. Do homem que será eternamente lembrado pela imagem cabisbaixa, com as mãos na cintura, após o erro decisivo em 1994, mas que merece nosso respeito eterno e a gratidão de todos que amam futebol por aquilo que se empenhou a nos dar.

*****

A todos os jovens e aos que estão aqui, assim como aos meus três filhos,

Por 20 anos, eu fui jogador. Isso certamente não me faz um mestre da vida, mas agora gostaria de ajudar os jovens, tão preciosos e insubstituíveis. Eu sei que os jovens não gostam muito de conselhos, eu também era assim. Porém, sem arrogância, esta noite eu gostaria de oferecer alguns conselhos a vocês. Gostaria de convidar os jovens a refletir sobre estas palavras.

A primeira é paixão. Não existe vida sem paixão e só é possível encontrá-la dentro de si mesmo. Não ouça ninguém que tente te influenciar. A paixão é algo que você pode transmitir. Olhe dentro de si e você a encontrará.

A segunda é alegria. Aquilo que rende uma vida bem-sucedida é ser alegre no que se faz. Eu me lembro da alegria no rosto cansado do meu pai e no sorriso da minha mãe ao colocarem todos os oito filhos ao redor da mesa de jantar. É próprio da alegria fazer nascer aquela sensação de completitude, de quem está vivendo plenamente a própria vida.

A terceira é coragem. É fundamental ser corajoso e aprender a viver acreditando em si mesmo. Ter problemas ou errar é simplesmente uma coisa natural, é necessário não se sentir derrotado por isso. O mais importante é se sentir satisfeito, sabendo que deu tudo, que fez seu melhor, do seu jeito e conforme a própria capacidade. Olhe para o futuro e siga em frente.

A quarta é sucesso. Se você seguir a alegria e a paixão, então pode falar do sucesso, dessa palavra que parece ser a única que tem valor em nossa sociedade. Mas o que significa ter sucesso? Para mim, é fazer na vida aquilo que se é, do melhor jeito possível. E isso vale se você é jogador de futebol, carpinteiro, agricultor ou padeiro.

A quinta é sacrifício. Quando eu era jovem, eu sofri lesões nos joelhos que me criaram problemas e dores por toda a carreira. Eu precisei conviver e convivo com as dores, graças ao sacrifício – que, asseguro a vocês, não é uma palavra ruim. O sacrifício é a essência da vida, a porta para entender o próprio significado. A juventude é o tempo da construção, por isso vocês devem se empenhar desde já. Seu futuro dependerá disso. Os anos que estão vivendo agora são muito importantes. Não acreditem que as coisas chegam sem sacrifício. Não acreditem, é uma ilusão. O esforço e o trabalho duro constroem uma ponte entre os sonhos e a realidade.

Por toda a vida eu busquei ser o garoto que sempre fui, que amava o futebol e dormia agarrado a uma bola. Hoje, a única diferença é que eu tenho alguns cabelos brancos a mais e muitas cicatrizes velhas. Mas meu sonhos continuam os mesmos. Os que se esforçam continuamente são sempre plenos de esperança. Abrace os seus sonhos e persiga-os. Os heróis do dia a dia são aqueles que dão sempre o máximo na vida.

E isso é o que desejo a vocês e aos meus filhos.