O Liverpool é conhecido por ser um time de ataque avassalador, rápido, mortal. Curiosamente, nesta temporada tem sido o time da melhor defesa da Premier League. Só que neste jogo contra o Arsenal, o que se viu foi um ataque com sede de demolição. A goleada por 5 a 1 reflete um pouco do que foi o time do Liverpool em campo. E foi de virada. Uma atuação monumental de Roberto Firmino, que fez três gols, e de Mohamed Salah, que fez um gol e deu uma assistência.

LEIA TAMBÉM: Bobeou, dançou: Wolverhampton vira para cima do Tottenham em Wembley

Os primeiros 20 minutos foram uma loucura em Anfield Road. Primeiro, deixando os torcedores dos Reds com o coração na boca. Logo aos 11 minutos, uma das novidades rendeu para o técnico Unai Emery. Dejan Lovren tentou sair jogando com um passe longo, o Arsenal recuperou e Iwobi tabelou pelo lado esquerdo com Aaron Ramsey e cruzou para o lado direito, achando Ainsley Maitland-Niles, que completou para o gol: 1 a 0 surpreendente em Anfield.

O Liverpool respondeu rapidamente. Roberto Firmino articulou pelo meio, tocou para Mohamed Salah, que tentou passar pela marcação, a bola bateu na marcação como em um pinball e sobrou para Firmino, livre, sem goleiro, tocar para o gol vazio. O brasileiro até se deu ao luxo de fazer uma graça e virar a cara para bater na bola: 1 a 1, aos 14 minutos.

A avalanche viria mais forte ainda. Torreira errou o passe no meio-campo, Mané interceptou, a bola sobrou para Firmino, que avançou com a bola e driblou dois adversários para ficar frente a frente com o goleiro Leno e chutar para marcar o gol da virada: 2 a 1, aos 16 minutos. Não deu nem tempo para comemorar. Os Gunners nem tiveram tempo de saborear a vantagem.

Aos 32 minutos, cobrança de escanteio curto que foi facilmente cortado pela defesa do Arsenal, que ao mesmo tempo saiu toda da área para deixar o ataque impedido. Robertson foi quem ficou com o rebote, atrás da linha de meio-campo. O lateral fez um lançamento longo para a esquerda e encontrou Salah, que tinha condição de jogo por causa do lateral Stephan Lichtsteiner. O egípcio serviu Sadio Mané, que finalizou para marcar 3 a 1, aos 32 minutos.

O que era ruim ficou ainda pior antes do fim do primeiro tempo. Já estávamos nos acréscimos quando Salah invadiu a área e desacelerou a passada, sendo tocado por Sokratis. Ele mesmo cobrou, dando uma bomba no meio do gol, e marcou: 4 a 1, deixando a virada uma missão quase impossível.

O segundo tempo mantinha a mesma linha do primeiro: o Liverpool atropelando no ataque. Aos 28 minutos, o árbitro foi rigoroso na marcação de um pênalti de Kolasinac sobre Lovren. Com a bola na marca da cal, Roberto Firmino cobrou forte, no canto, e tirou o goleiro Leno da foto: 5 a 1 em Anfield.

O Arsenal levou a campo Alexandre Lacazette, tirando o artilheiro Pierre-Emerick Aubameyang. Talvez para poupar o artilheiro, uma vez que o jogo já estava definido. Klopp, que já tinha colocado em campo Jordan Henderson no lugar de Sadio Mané, também tirou Georgino Wijnaldum para colocar Adam Lallana. O Arsenal trocou ainda Sead Kolasinac para colocar o volante Matteo Guendouzi. Por fim, Klopp tirou Andrew Robertson e colocou Nathaniel Clyne.

As substituições pareceram ser só para gastar tempo e poupar jogadores. O árbitro poderia ter marcado pênalti de Clyne em Lacazette, que invadia a área e foi chutado pelo lateral, mas ignorou.

Uma curiosidade é que Roberto Firmino se torna o terceiro brasileiro a marcar um hat-trick na Premier League, depois de Robinho (pelo Manchester City contra o Stoke, em outubro de 2008) e Afonso Alves (pelo Middlesbrough contra o Manchester City em maio de 2008).

Foi a 17ª vitória do Liverpool em 20 jogos. O time chega a 17 vitórias, três empates e segue invicto, sem derrotas. Com 54 pontos, fica a nove pontos do atual segundo colocado, Tottenham, mas o Manchester City pode diminuir a diferença para sete pontos se vencer, no domingo, o Southampton. Os dois times irão se enfrentar no Etihad Stadium no próximo dia 3, quinta-feira, em uma partida para lá de esperada desta Premier League.