Braço-direito de Mano Menezes, Sidnei Lobo não acompanhou a coletiva do diretor de seleções da CBF, Andrés Sanchez. Estava fora de casa e ficou sabendo da demissão de toda a comissão técnica através de uma mensagem de celular. Carlinhos Neves, preparador físico, confirmou também que ficou sabendo da notícia por SMS.

Chateado, Sidnei ainda não conversou com Mano. Apenas trocou mensagens com o treinador ao longo do dia. Foi dessa forma que ele descobriu que o técnico (e ele também) seria demitido, poucas horas antes de a informação ir a público.

Ele concordou em falar rapidamente com o blog. Veja abaixo.

Você acompanhou a coletiva do Andrés Sanchez?

Não. O foi que ele falou?

[Resumi as palavras de Andrés]

Então, está bom. Está respondido, então.

Mas o que você achou? Como recebeu a notícia?

Olha, Marcus, veja bem. Cara, nem estou em casa ainda, não vi notícia alguma, não conversei com o Mano, sabe? Não tenho nem o que falar, cara. Estou chateado. É claro que estou chateado. Na montagem de um trabalho, na montagem de um grupo, você precisa de tempo, você sabe muito bem disso. São dois anos de trabalho. As coisas estão encaminhando bem melhor agora porque já encaixamos uma maneira de jogar, encaminhamos uma estrutura. É isso que posso dizer pra ti. Infelizmente, está sendo rompido esse trabalho. Mas quem for assumir vai pegar uma seleção praticamente pronta.

Dava para fazer mais?

Agora estava bem encaminhado. O torcedor já estava mais satisfeito. A imprensa viu como estava sendo conduzido o trabalho. Então a gente fica tranquilo porque a gente fez o melhor e era isso que a Seleção precisava. Na montagem de trabalho, tudo leva tempo e levou dois anos.

A chegada de Marin no lugar de Ricardo Teixeira afetou o trabalho de vocês?

Cara, quem pode falar melhor sobre esse assunto é o Mano. Geralmente era uma ligação direta com o treinador.