O Barcelona anunciou a contratação do atacante Martin Braithwaite, de 28 anos, que estava no Leganés, por € 18 milhões, mesmo fora da janela de contratações. Isso porque o clube recebeu uma autorização especial de La Liga para isso, graças à lesão de Ousmane Dembélé, que ficará afastado por um período superior a cinco meses – maior que o tempo da atual temporada, portanto. Era o valor da cláusula de rescisão do jogador, o que deixou o Leganés de mãos atadas. Até por isso, o presidente do clube, Martín Ortega, reclamou publicamente da regra.

“Queremos levantar a voz. Nós estamos em uma situação de prejuízo enorme e grave. Não podemos entender o regulamento atual de que um clube, ao ter uma lesão de longa duração, possa realizar uma operação de forma unilateral e transferir o seu problema a outro clube”, afirmou o dirigente.

“Consideramos que a norma não é justa, da qual o Barcelona se beneficiou. O prejudicado é o Leganés. A atuação do Barcelona foi correta. Nos comunicou a sua intenção na segunda e e a única forma de fazer acontecer era pagar a cláusula. Não devemos guardar nenhum rancor porque fizeram uso de uma possibilidade segundo a normativa vigente”, disse ainda Martín Ortega.

O Leganés entrou com um pedido em La Liga para que permita que o Leganés também possa contratar, porque perdeu um jogador sem poder repor e sem poder recusar, já que o Barcelona pagou a cláusula. O caso está sendo estudado.

“La Liga realizou uma consulta à Federação Espanhola prevendo esta situação. Na noite de ontem recebemos a comunicação da Federação que não veem como algo conveniente avaliar algo que ainda não havia se consumado. Uma vez depositada a cláusula, realizamos a solicitação à federação, na espera de uma resposta”, explicou ainda o presidente do Leganés.

Apesar de lamentar perder Braithwaite, o presidente do Leganés agradeceu ao comportamento do atacante dinamarquês. “Queremos agradecer ao jogador, ele tem sido um grande profissional até o dia que se desvinculou do clube e teve um rendimento memorável. Desejamos a ele a melhor das sortes”, disse o presidente.

O Barcelona assinou com o dinamarquês por quatro anos e meio, até junho de 2024. Braithwaite tem uma cláusula de rescisão enorme: € 300 milhões. Uma contratação que é duvidosa, porque é difícil ver o jogador se encaixando no elenco. Parece mais uma contratação de emergência em um momento que as lesões são problemas para o clube, com Luis Suárez e Ousmane Dembélé lesionados sem previsão de volta nesta temporada.

Aos 28 anos, com 1,77 metro e nascido em Esbjerg, com ascendência da Guiana, Braihwaite chegou ao Leganés nesta temporada, vindo do Middlesbrough, por € 5 milhões. Nos 27 jogos que fez nesta temporada, contando La Liga e Copa do Rei, fez oito gols e deu uma assistência. É um jogador versátil, que pode atuar praticamente em todas posições do ataque: seja como centroavante, seja como ponta pelos lados, ou até atrás de um centroavante. Breithwaite não pode jogar pela Champions League, porque as inscrições já acabaram. Só jogará em La Liga.

A regra é sim injusta porque expõe times como o Leganés às necessidades dos grandes times. Não parece justo que os clubes recebam autorização para caçar jogadores fora da janela de transferência e criem um problema enorme para os demais clubes. Até porque mesmo que uma negociação não aconteça, de fato, isso já pode atrapalhar demais o jogador, que fica mexido com a possibilidade de sair. As regras devem ser iguais para todos e se o Barcelona ficou sem jogadores de ataque porque teve muitas lesões, deveria ter contratado um atacante preventivamente na janela de janeiro, mas escolheu não fazer isso.

Então, deveria ir assim até o fim da temporada e se planejar melhor. Um clube do tamanho do Barcelona não precisa ser ainda mais beneficiado com uma contratação de exceção como essa, que tem sempre potencial de fazer com que clubes pequenos sejam expostos a caprichos dos grandes sem poder sequer repor o jogador transferido.