Diversos países da Europa planejam a retomada de suas ligas nacionais durante as próximas semanas. Há um movimento maciço, sobretudo, no leste europeu. E o Campeonato Sérvio resolveu ir além, abrindo os portões de seus estádios nesta volta. A liga local promete uma série de medidas para minimizar o risco de contágio, incluindo o distanciamento entre os torcedores nas tribunas. Ainda assim, é uma iniciativa que contraria o posicionamento da maioria das autoridades sanitárias em outros países, que evitarão as aglomerações durante os próximos meses.

Segundo os jornais Telegraf e Novosti, nesta semana o comitê de crise do país se reuniu e permitiu que os esportes aconteçam com a presença de público já a partir de junho. A iniciativa é referendada pelos especialistas locais da área de saúde, que impuseram medidas de prevenção e distanciamento dentro dos estádios. Os torcedores precisarão ficar a um metro de distância uns dos outros, com materiais de prevenção disponíveis nas instalações esportivas. Será necessário um controle maior das próprias torcidas.

A primeira rodada do Campeonato Sérvio neste retorno não terá público. As partidas acontecem neste final de semana. A partir de 1° de junho, porém, os portões serão reabertos. O Estrela Vermelha lidera a Super Liga com 11 pontos de vantagem sobre o Partizan Belgrado, segundo colocado. O torneio terá mais quatro rodadas em sua fase de classificação, antes de iniciar o octogonal decisivo. Outros eventos esportivos também contarão com público, a exemplo de partidas do tenista Novak Djokovic agendadas para as próximas semanas.

O Campeonato Polonês é outra liga que estuda abrir os portões em seus jogos neste reinício. A federação local enviou um pedido ao primeiro ministro do país. A Ekstraklasa volta já neste sábado. Já a Croácia, que também terá público no torneio de tênis encabeçado por Djokovic, tende a permitir os torcedores em seu campeonato de futebol – a ser retomado no primeiro final de semana de junho, entre os dias 5 e 6.

Dentre os três países, a Polônia é a única que vê sua curva de contágio ainda em crescimento. São 22,4 mil casos, com 1.028 óbitos. A Sérvia, embora possua uma média maior de infectados por milhão de habitantes, também realizou proporcionalmente mais testes que os poloneses e desacelera o contágio. São mais de 6,2 mil recuperados em 11,2 mil infectados, com 240 vítimas fatais. Já a Croácia, com população menor, passou o período mais crítico e apresenta apenas 96 casos ativos, depois de 2,2 mil infectados e 101 mortes. O governo croata está entre os mais elogiados por suas ações no combate à pandemia, com medidas estritas desde o início e grande cooperação da população. Vale lembrar que em 22 de março a região de Zagreb sofreu seu pior terremoto em 140 anos, com apenas uma morte, mas 26 mil edifícios danificados.