O Austin FC venceu a disputa para ser o 27º time da MLS e irá integrar a liga a partir de 2021. O anúncio foi feito pelo comissionário Don Garber na terça-feira. Será o primeiro time da cidade em uma das grandes ligas esportivas. Austin é a capital do Texas, estado que já tinha o Dallas FC e o Houston Dynamo. Este, aliás, é um motivo de polêmica: Austin passa à frente de cidades que estão se preparando há mais tempo por conta da alta influência do seu dono. Muitos consideram que o Austin FC furou a fila para ser uma franquia da MLS.

LEIA TAMBÉM: Schelotto assina com o Galaxy e é mais uma atração no banco de reservas da MLS

“Este é um dia empolgante, é o primeiro time profissional de Austin em uma grande liga”, afirmou Don Garber. “Nós não podemos ficar mais empolgados por estarmos em uma das mais legais, criativas, mais vibrantes e das cidades mais apaixonadas dos Estados Unidos”, continuou o dirigente, diante de uma plateia que esperava o anúncio.

Um dos pontos mais críticos do time de Austin na MLS era porque inicialmente a ideia era levar o Columbus Crew para Austin. Isso porque Anthony Precourt, da Precourt Sports Ventures, era dono do Crew e queria levar o clube para lá. A comunidade em Ohio se manifestou para impedir a saída do clube da MLS da cidade de Columbus, que tem uma torcida bastante apaixonada. O dono do Cleveland Browns, Jimmy Haslam, se juntou com Dee Haslam e Pete Edwards, e compraram o Columbus Crew no final de 2018, encerrando a polêmica e garantindo o clube na cidade.

Inclusive a seleção dos Estados Unidos já usou muito o estádio do clube para confrontos com a seleção mexicana, porque há poucos imigrantes mexicanos por lá. Columbus, um time que já conquistou o título da MLS em 2008 e era o time comandado por Gregg Berhalter, que deixou o clube após a temporada 2018 para assumir a seleção americana.

Precourt afirmou que iria imediatamente a receber inscrições para 30 acampamentos de futebol para garotos e garotas, além de financiar 30 bolsas de estudos e criar uma fundação de futebol com uma diretoria com aconselhamento local. O prefeito de Austin, Steve Adler, falou sobre os objetivos de ter um time da MLS na cidade. “Este time tem potencial para unir todas as partes desta comunidade de formas que não acontecem tanto quanto deveriam”, afirmou Adler.

O Austin FC jogará em um estádio construído especificamente para futebol, com capacidade de 20 mil lugares, depois de anúncio feito no dia 10 de dezembro pela Precourt Sports Ventures. Foi fechado um acordo para usar um terreno em McKalla Place. As obras começam ainda em 2019 e a expectativa é que o estádio seja inaugurado em 2021.

O acordo diz que a Precourt Sports Ventures será inteiramente responsável pelo financiamento do estádio, que custará US$ 225 milhões, em uma área de 97.124 metros quadrados. O clube pagará um aluguel anual de US$ 550 mil para a cidade e será obrigado também a financiar programas de futebol para jovens, contribuições para a Foundation Communities para construção de moradias acessíveis, além de milhões de dólares em doações de caridade. O grupo afirma que o espaço receberá shows e eventos culturais e também terá espaços verdes para a comunidade. O clube também fará contribuições para a melhora de linhas de metrô da cidade.

O time mais odiado da liga

Precourt é um dos donos mais odiados da MLS pelo que tentou fazer com o Columbus Crew. Será ainda mais porque a liga atendeu a sua vontade de ter um time em Austin, mesmo com outras cidades fazendo um enorme esforço para entrarem na liga. São muitos os projetos candidatos: St. Louis, Sacramento, Phoenix, Detroit, Raleigh, Tampa, Charlotte, San Diego, Las Vegas e Indianapolis. A reação de muitos dos torcedores dessas cidades foi negativa quando a MLS anunciou a expansão para Austin. O USA Today afirma que o time será o mais odiado da liga.

A liga ainda tem a ideia de anunciar um 28º time nos próximos 12 meses, segundo afirmou Garber. “Não há pressa. E nós ainda temos que decidir se nós iremos além de 28 times. Essa é uma discussão que está acontecendo… Mas não há dúvida a minha mente que nós podemos apoiar mais do que 28 times na MLS”, disse o dirigente máximo da liga.

Apesar do dono odiado, Austin tem um grande interesse em futebol. Um grupo de apoio foi montado em 2013 para trabalhar pensando em levar um time para a cidade. Atualmente, o grupo tem mais de mil membros. Esse grupo trabalhou para pressionar a prefeitura para aprovar as medidas e a parceria com o Precourt Spots Venture para que o Austin FC se tornasse uma realidade.

Como também é comum, há protestos na cidade pelo uso do terreno em McKalla Place. Um grupo da comunidade se organiza há anos para pedir que o local seja usado para moradias com preços acessíveis, um problema que incomoda habitantes da cidade. Será preciso habilidade política do prefeito e fiscalização intensa para que o acordo pelo estádio, que inclui investimento do grupo dono do Austin FC em moraria popular, seja mantido e cumprido fielmente.

Imagem que mostra como será o estádio do Austin FC (Foto: divulgação)
Imagem que mostra como será o estádio do Austin FC (Foto: divulgação)