Uma das propostas para melhorar a utilização do assistente de vídeo é divulgar para o público a conversa entre o árbitro de campo e o colega que fica na cabine olhando os monitores. Ajudaria a esclarecer como foi o processo de decisão em lances polêmicos: qual informação foi definitiva, por que o apitador não checou o vídeo, etc, etc. Uma ideia que precisa ser discutida, mas a transparência levaria a uma melhor aceitação das decisões.

LEIA MAIS: A-League, da Austrália, será primeira liga a usar árbitro de vídeo

Jarred Gillet, árbitro de 32 anos, com dez de experiência no futebol australiano, participou de um experimento muito interessante durante a vitória do Western Sidney por 4 a 1 sobre o Brisbane Roar, no começo de março. A gravação – editada – de suas conversas com o auxiliar e com o assistente de vídeo foi divulgada ao público pela emissora BT Sport.

A ocasião foi a última partida de Gillett em solo australiano. Além de assoprar apitos, ele tem um PhD em biomecânica, com especialização em paralisia infantil. Foi aceito para continuar sua pesquisa na Universidade John Moore, de Liverpool, na Inglaterra. Continuará a carreira no futebol, apitando partidas da Championship, segunda divisão inglesa.

No áudio, podemos acompanhar as broncas de Gillett, como ele explica suas decisões aos jogadores e até conversas casuais, como um jogador dando parabéns a ele pela transferência à Championship. No entanto, o momento mais interessante foi no terceiro gol do jogo, marcado por Oriol Riera, validado apenas com o auxílio do assistente de vídeo.

Fica claro que o bandeirinha da partida disse a Gillett que Riera estava impedido. O árbitro, porém, suspeita que o desvio saiu da cabeça de um defensor do Brisbane Roar, o que invalidaria a posição irregular. Gillett diz ao auxiliar que dará o gol para que ele possa ser revisado pelo VAR.

O árbitro de vídeo Kris Griffiths-Jones confirma a impressão de Gillett de que a bola saiu da cabeça do defensor. Mesmo assim, o árbitro decide checar o monitor porque “os jogadores esperam que ele o faça”. Depois de revisar o lance por conta própria, Gillett, enfim, valida o terceiro tento da goleada.

E depois faz questão de explicar ao capitão do Brisbane Roar porque o gol foi confirmado.