Atuação de alto nível do Al-Hilal no primeiro tempo passou pelos pés de Carlos Eduardo

Normalmente goleador, meia atuou mais recuado do que o comum e ajudou a dominar o meio de campo na primeira etapa

Em que pese a vitória inconteste construída no segundo tempo por 3 a 1, o Flamengo teve uma etapa inicial das mais difíceis contra o Al Hilal. Muito disso passou pelas atuações individuais dos sauditas Mohammed Al-Burayk, lateral, e Salem Al-Dawsari, atacante e autor do gol. Mas vale destacar também o domínio do time saudita no meio de campo – e, nesta história particular do duelo pela semifinal do Mundial de Clubes, o brasileiro Carlos Eduardo foi protagonista.

[foo_related_posts]

O jogador pouco atuou aqui no Brasil, com sua última passagem de maior destaque sendo pelo Fluminense, em 2009, quando fez parte da equipe que heroicamente evitou o rebaixamento e ainda foi vice-campeã da Sul-Americana. Portanto, para os milhões de brasileiros que acompanharam o duelo desta terça, este foi um cartão de visitas para o atleta de 30 anos.

O que as pessoas viram foi um volante de destaque, que ajudou a regular o controle dos sauditas no primeiro tempo com marcação de qualidade, saída de bola precisa e subidas boas ao ataque. Sua atuação, por si só, mereceria o destaque, mas fica ainda maior quando levamos em conta que na verdade Carlos Eduardo é um meia ofensivo, muito mais chegado a empilhar gols no campo adversário.

Desde 2015 no Al Hilal, o brasileiro já era conhecido por Jorge Jesus, com quem trabalhou entre julho de 2018 e janeiro de 2019. O camisa 3 e capitão do time saudita se tornou ídolo no clube asiático nesses mais de quatro anos, anotando 70 gols em 131 partidas. O desempenho na atual temporada do Campeonato Saudita é ainda mais prolífico em média, com oito gols em nove jogos.

Antes de brilhar no futebol asiático, rodou por clubes na Europa, principalmente em Portugal. O Estoril foi sua porta de entrada, onde seu trabalho lhe rendeu uma transferência para o Porto. Não teve sucesso nos Dragões e acabou emprestado ao Nice. Atuou por apenas uma temporada no sul da França, mas isso foi o suficiente para conseguir possivelmente sua maior honra individual.

Em 26 de outubro de 2014, o Nice goleou fora de casa o Guingamp por 7 a 2, e Carlos Eduardo marcou nada menos do que cinco gols. Aquela foi a primeira vez que um jogador balançara a rede cinco vezes em um só jogo de Ligue 1 desde 1984, quando Tony Kurbos conseguiu a façanha pelo Metz. Mais do que isso, a atuação de Carlos Eduardo foi a primeira performance no Campeonato Francês a receber a famosa nota 10 do L’Équipe. O feito só foi repetido por Neymar, no 8 a 0 do PSG contra o Dijon.

Fora da Ligue 1, outros nove jogadores conseguiram a avaliação máxima, incluindo Robert Lewandowski no 4 a 1 do Dortmund contra o Real Madrid, Messi em duas oportunidades, e Tadic e Lucas Moura, na temporada passada da Champions League.

Vinculado ao Al-Hilal até apenas junho de 2020, podendo assinar pré-contrato com outras equipes a partir de janeiro, Carlos Eduardo deve ter atraído olhares de muitos clubes em busca de reforçar seu elenco com um bom goleador – que, olha só, trabalha muito bem em uma posição mais defensiva.