O clássico entre Atlético Paranaense e Coritiba na Arena da Baixada foi marcado por protestos, acima de tudo. Muitos torcedores aproveitaram o jogo de muita visibilidade no Campeonato Paranaense para levar faixas em protesto contra o governo federal, contra o partido da presidente Dilma Rousseff, o PT, e em favor do juiz Sérgio Moro, que ganhou notoriedade pelo julgamento das ações na Operação Lava Jato. Até a vitória do Coritiba por 2 a 0 na casa reformada do rival acabou eclipsada por inúmeras manifestações que se fizeram presentes no estádio.

LEIA TAMBÉM: Técnico da Ferroviária acha que entrevista citada por Lula em áudios vazados é a da Trivela

No setor onde fica a torcida organizada Os Fanáticos, a maior do Atlético Paranaense, foi estendida uma bandeira do Brasil e palavras de apoio ao juiz federal Sérgio Moro. “No país do futebol, o meu ídolo usa terno e gravata, Sérgio Moro”, diziam as faixas. Em outros locais do estádio, torcedores usavam máscaras com o resto do juiz, que é de Curitiba, sede das investigações da Operação Lava Jato e onde estão presos diversos indiciados. Antes do jogo, durante o hino nacional, a torcida gritou “Ei, Lula, vai tomar no cu” e “Fora PT”.

A semana foi agitada no cenário político brasileiro. No último domingo, dia 13, milhares de pessoas saíram às ruas para mostrar sua insatisfação com o governo federal e pedir o impeachment da presidente Dilma Rousseff. A situação se acirrou durante a semana, quando a presidente colocou o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva como ministro, o que foi visto como uma forma de oferecer foro privilegiado a ele, que está sendo investigado pela Polícia Federal na Operação Lava Jato pelo Ministério Público de São Paulo.

No dia 16, quando houve diversos protestos pelo país pelo anúncio do Planalto que Lula seria ministro, o clima esquentou mais, com protestos que duraram mais de dois dias. No dia 18, foram convocados manifestações de apoio ao governo Dilma e contra o impeachment, com muitos questionamentos sobre a legalidade e a ética na condução do processo. Gilmar Mendes, ministro do Superior Tribunal Federal, o STF, acatou pedido para impedir que Lula assumisse como ministro da Casa Civil, e devolveu o processo para a jurisdição de Sérgio Moro na Lava Jato.

Tudo isso deixou o clima muito acirrado em todo o país, de forma até perigosa – e com as lideranças políticas dos dois lados pouco contribuindo para acalmar o clima de guerra, que foi para as ruas e passou até a perseguir pessoas vestidas de vermelho. Nas ruas, o clima ficou tenso com manifestantes dos dois lados se encontrando.

Em Curitiba, a manifestação no estádio neste domingo foi intensa. A proximidade com a Operação Lava Jato e a maioria de contrários ao governo federal na cidade fizeram com que os protestos na Arena da Baixada fossem bastante presentes. Em outros estádios do país, as manifestações foram bem mais discretas, quando aconteceram. O fato, porém, não é inédito em Curitiba. Em 2015, torcedores protestaram contra o governador do estádio, Beto Richa, do PDSB, e pediram a sua saída. Em São Paulo, que recebeu de forma inusitada o jogo entre Flamengo e Fluminense pelo Campeonato Carioca, pela falta de estádios disponíveis no Rio de Janeiro, uma parte da torcida gritou “Fora PT” durante o hino nacional.

Como a Copa das Confederações e a Copa do Mundo mostraram, os estádios brasileiros se tornaram palco para protestos dos mais diversos. Este ano mesmo, no Fla-Flu realizado em Brasília, uma torcedora invadiu o gramado com uma faixa “Fora Dilma”.

Em São Paulo, há uma disputa das torcidas, especialmente a Gaviões da Fiel, com a Polícia Militar por manifestações. A diferença é que os protestos da Gaviões têm sido contra a Federação Paulista de Futebol, FPF, a CBF, a TV Globo e contra o deputado estadual Fernando Capez, do PSDB, mesmo partido do governador Geraldo Alckmin. A FPF já divulgou nota que os protestos são permitidos, mas mesmo assim, a torcida alega que suas faixas não são permitidas ao criticarem o deputado, presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo e líder do PSDB na casa. Os torcedores, em faixas, o acusam de “ladrão de merenda”. Ele é acusado de participar de um esquema de desvio de verbas na merenda escolas das escolas públicas de São Paulo. O deputado nega.

Os estádios precisam ser livres para manifestação política, algo que nem sempre é permitido, muito por uma orientação da CBF e da Fifa que não quer se envolver com isso. O que não podemos permitir é machismo, homofobia, racismo e preconceito étnico. Manifestações políticas são da natureza humana e devem ser permitidas. A deste domingo mostra o que uma parcela importante de pessoas pensa. E isso é parte também da democracia.

Em campo, o Atlético Paranaense viu o rival Coritiba sair com a vitória graças a gols de Thiago Lopes e Juan. Foi o primeiro Atletiba disputado no novo gramado sintético da Arena da Baixada. Com o resultado o Furacão é o quinto colocado no estadual, com 16 pontos. O Coxa é quarto, com 17.

Foto: Lineu Filho/Tribuna