Com uma atuação consistente, o Athletico recuperou os pontos perdidos na estreia contra o Tolima e venceu o Jorge Wilstermann por 4 a 0, com gols dos argentinos Marco Rúben e Tomas Andrade, do lateral-esquerdo Renan Lodi, que fez mais uma partida excepcional e do volante Bruno Guimarães. E ainda ficou barato para o time boliviano.

O Furacão de Tiago Nunes envolveu o Jorge Wilstermann com um toque de bola refinado e com uma marcação cerrada impediu qualquer reação do adversário. O goleiro Gimenez foi salvando como podia um gol que era certo, que aconteceria mais cedo ou mais tarde. O argentino Marco Rúben, contratado para ser o homem-gol atleticano, teve três chances de balançar as redes, antes de poder comemorar. Por duas vezes, não conseguiu realizar a finalização limpa, e na terceira cabeceou por cima do gol com perigo. Mas aos 31, Rony, sempre individualista, fez a jogada e arriscou o chute de direita. A bola desviou no peito do argentino e enganou o goleiro do time boliviano.

Cinco minutos depois de abrir o placar, o Athletico sofreu o primeiro ataque de perigo. Chávez chutou e a bola explodiu na trave esquerda de Santos. O Furacão pegou o rebote e em três toques já armou o contra-ataque com Tomas Andrade, que carregou a bola por mais de 20 metros e preferiu chutar de fora da área mesmo não sendo a melhor opção. O chute saiu mascado e Gimenez falhou, para a alegria dos mais de 16 mil atleticanos presentes.

Os gringos do Athletico se destacaram, mas o grande nome atleticano desde o apito inicial foi Renan Lodi. O lateral esquerdo fez uma partida excelente. Apoiou, deu dribles, ajudou na construção das jogadas e ainda apareceu mais de uma vez como fator surpresa na grande área. De um jeito ou de outro a bola acabava nos pés do jogador. A atuação foi premiada logo no início do segundo tempo e exemplifica bem o que foi escrito anteriormente. A bola saiu do lado direito em passe de Camacho – que também merece menção por ocmandar o meio de campo – e encontrou Renan Lodi, que avançou com total liberdade até a grande área finalizando na saída de Gimenez.

Mesmo quando o físico já parecia não aguentar mais, após uma dividida em que Lodi acabou levando a pior, o jogador seguiu em campo e minutos depois do choque já disparava como se ainda estivesse aquecendo. No mesmo ritmo acelerado estava todo o time do Athletico, que totalizou 508 passes durante a partida e encerrou o jogo com 68% da posse de bola. Antes do final do jogo, Bruno Guimarães completou passe de Cirino e fechou a atuação atleticana.

Além da confiança que uma partida dessas traz para a sequência da competição, a vitória também teve óbvia importância por ter sido a primeira do rubro-negro na competição, que empata em pontos com o Tolima, mas fica à frente do rival no saldo de gols. O próximo jogo é novamente no alçapão da Arena da Baixada, mas o adversário será o Boca Juniors, líder do grupo G, no dia 2 de abril. Até lá, o time principal do Athletico não terá jogos, já que pelo Paranaense tem atuado uma equipe alternativa. Resta saber se Tiago Nunes conseguirá manter o elenco na ponta dos casos.