O Athletic e a Real Sociedad disputarão a final da Copa do Rei da temporada 2019/20 apenas quando for possível haver torcida nas arquibancadas, mesmo que seja necessário fazer ajustes ao calendário, anunciaram os clubes bascos em um nota conjunta nesta segunda-feira.

A Espanha é o segundo país do mundo com mais casos confirmados de COVID-19, segundo o levantamento da universidade americana John Hopkins, atrás dos EUA, com aproximadamente 25 mil mortes registradas. Após quase dois meses de rígida quarentena, começa a dar os primeiros passos para flexibilizar o isolamento, mas a permissão para grandes aglomerações, como jogos de futebol com torcidas, ainda não estão no horizonte.

Athletic e Sociedad, portanto, decidiram que esperarão até que isso aconteça para que a grande celebração do futebol basco seja realizada com o povo nas arquibancadas. A única exigência é que o torneio permaneça com status oficial, mesmo que seja disputado durante a próxima temporada, pedido que ambos farão à Federação Espanhola na próxima assembleia, em 8 de maio, e que deve ser aceito.

“O desejo e a vontade dos dois clubes sempre foi, agora e antes, jogar a final com a presença de nossos torcedores e torcedoras. É o que mais gostaríamos: uma final de copa com nossas torcidas nas arquibancadas”, disseram. “Com esta decisão, Real Sociedad e Athletic desejam valorizar um dos eventos esportivos de mais prestígio e com mais tradição que pode ser disputado no futebol mundial, único nesta edição, e fazê-lo junto com seus seguidores, seguidoras, sócios e sócias, a verdadeira essência e razão de ser deste maravilhoso esporte”.

Em nota, a Federação Espanhola afirmou que “compartilha plenamente” do desejo de Atheltic e Real Sociedad de disputar a final da Copa do Rei, “quando as circunstâncias sanitárias e esportivas permitirem que ela seja aberta ao público e com a presença das duas torcidas e de todos os torcedores que a queiram ver”. A partida está marcada para o estádio La Cartuja, de Sevilha.

“A Federação Espanhola agradece a decisão e a petição conjunta dos clubes e articulará mecanismos regulamentários necessários para que a final da Copa do Rei se dispute como competição oficial em momento oportuno durante o ano de 2020 ou 2021 e sempre antes que se dispute a final da temporada 2020/21”, afirmou a entidade nacional.

Liga Europa

Ceferin, presidente da Uefa (Foto: Getty Images)

Empurrar a final de uma copa de uma temporada para a outra evidentemente causa alguns problemas. O mais prático é a classificação dos clubes espanhóis às competições europeias, e a decisão conjunta pode prejudicar o Athletic Bilbao.

Na Espanha, os quatro primeiros colocados vão à Champions League da temporada seguinte. O quinto e o sexto garantem vaga na Liga Europa, assim como o campeão da Copa do Rei, caso ele não termine La Liga nas seis primeiras posições, e nesse caso a vaga passas ao sétimo, que no momento da paralisação era o Valencia.

O Athletic Bilbao era décimo colocado quando o Campeonato Espanhol foi paralisado e, caso ele não termine, não teria sequer a chance de buscar uma vaga europeia por meio da liga nacional. A alternativa seria por meio da Copa do Rei.

A Uefa, em um primeiro momento, havia emitido um comunicado orientando as federações nacionais a dividirem as vagas como quisessem, caso “as competições domésticas sejam encerradas precocemente por motivos legítimos”, como ordens oficiais proibindo eventos esportivos ou problemas financeiros que prejudiquem a estabilidade econômica dos clubes em longo prazo, e com processos baseados em “princípios objetivos, transparentes e não-discriminatórios”.

As exceções citadas pela Uefa compreendiam apenas situações em que os torneios não tivessem sido terminados por “motivos legítimos”, se não houvesse os tais princípios “objetivos, transparentes e não-discriminatórios” e se houvesse uma percepção pública de que a classificação de algum clube foi injusta.

A Federação Espanhola pretendia passar a última vaga na Liga Europa ao Athletic, uma vez que a Real Sociedad está em quarto lugar. No entanto, segundo o El País, o Valencia protestou junto à Uefa, e o Marca relata que a entidade europeia está forçando a Federação Espanhola a conceder a vaga ao sétimo colocado caso a Copa do Rei não seja finalizada antes do começo de agosto, prazo dado pela Uefa.

Segundo a reportagem do Marca, “a Uefa entende que uma final é uma final por causa da torcida, mas, se todas as partes estão fazendo esforços para terminar seus torneios, os cubes que jogam esta final também deveriam fazê-lo. E isso os obrigaria a jogar a final sem público e, caso não se dispute o título da Copa, a vaga na Liga Europa iria ao seguinte melhor classificado em La Liga, no caso da Espanha, o sétimo colocado”.

O Athletic não gostou nada disso e, antes da nota conjunta com a Real Sociedad, emitiu outra em que prometeu que seguirá trabalhando na defesa dos seus direitos e dos critérios que considera justos.

“A Uefa comunicou as federações europeias que, se não puderem finalizar a competições domésticas pendentes, se dará prioridade aos méritos esportivos dos clubes nas ligas profissionais em contraste com os de clubes finalistas das diferentes copas nacionais, na hora de determinar a lista de acesso à próxima edição da Liga Europa”.

“Isso indica que o máximo organismo de futebol do continente descarta a opção citada pela RFEF (Real Federação Espanhola de Futebol) de que, em caso de as competições não terminarem e de que um dos finalistas da Copa já tivesse sua vaga europeia por meio da liga, o outro finalista da Copa participaria da Liga Europa 2020/21”.

“O Athletic se mostra em profundo desacordo com uma decisão que atribui mais valor aos méritos do sétimo colocado de uma liga profissional na qual ainda faltam disputar 11 de suas 38 rodadas contra os méritos dos finalistas de uma competição em que estão envolvidas 125 equipes de todas as categorias do nosso futebol e na qual falta disputar apenas a última partida”.

“Entendemos que, em caso de as competições terminarem antecipadamente, deve-se aplicar o critério de atribuir uma vaga para a Liga Europa 2020/21 ao finalista da Copa que não tenha classificação europeia por meio da liga”.

“O Athletic não compartilha da ideia, nem a compreende, de que se prive de um torneio com tanto prestígio e tradição como a Copa do Rei da possibilidade de atribuir uma vaga europeia, já que sempre foi assim. Com esta decisão, se exclui a possibilidade de o finalista ou potencial campeão da Copa de chegar à fase de grupos da Liga Europa”, encerrou.

Aduriz

Aduriz, do Athletic Bilbao (Foto: Getty Images)

Outra incerteza que surge é em relação aos elencos dos dois times. Qual será considerado? O que foi usado para disputar a competição na temporada 2019/20 ou o que está jogando a 2020/21? A Federação Espanhola abrirá uma data de inscrição específica para os dois finalistas? E como ficam os jogadores que ajudaram a classificar os times à decisão, mas não possuem mais contratos válidos ou foram transferidos a outros clubes?

Em um universo de aproximadamente 50 atletas, metade deles de um clube como o Athletic em que a rotatividade é baixa, é provável que haja poucos problemas, mas um deles já tem nome, sobrenome e muito peso.

Aritz Aduriz sempre quis conquistar um importante título nacional pelo Athletic. Foi transferido ao Mallorca meses antes da final de 2008/09, na qual o clube perdeu para o Barcelona, e retornou ao San Mamés do Valencia dias depois da decisão de 2011/12, na qual o clube perdeu também para o Barcelona. Estava presente no grande evento de 2014/15, mas não conseguiu evitar a terceira derrota para os catalães.

Aos 39 anos, e com contrato válido até 30 de junho, o plano de Aduriz era se aposentar ao fim desta temporada e surgiu a oportunidade de fazê-lo em grande estilo, com a chance de enfim conquistar a Copa do Rei pelo Athletic contra a grande rival Real Sociedad. A pandemia, porém, colocou os planos de todo mundo de cabeça para baixo.

Agora, Aduriz não sabe mais o que será do seu futuro. Em uma entrevista por teleconferência, disse “não é uma decisão que depende dele” e que é algo que precisa ser discutido “por todas as partes” e que “não há algo que mais gostaria do que poder jogar essa final de copa”.

Segundo o El País, fontes do Athletic afirmaram que o assunto Aduriz é discutido “em todas as reuniões da direção”, mas que ninguém tem uma resposta concreta porque “tudo muda de uma semana para a outra”.

O fim de contratos nos próximos meses tem sido um entraves citados na hipótese de as temporadas se estenderem até o segundo semestre de 2020. A Fifa recomendou que esses acordos sejam ampliados e disse que permitiria a flexibilidade das datas das janelas de transferências para acomodar essas extensões.

.