Sem a seleção brasileira, que foi eliminada pelo Paraguai no Pré-Olímpico, o torneio ficou à mercê da Argentina, que contava com uma geração recheada de bons jogadores como Carlitos Tevez, Andrés D’Alessandro, Lucho González e Javier Saviola, além dos reforços acima dos 23 anos, como Killy González e os defensores Roberto Ayala e Gabriel Heinze. Itália, Paraguai e Portugal eram, na teoria, os principais adversários.

Logo na estreia, os albicelestes deram logo o cartão de visita, goleando Sérvia e Montenegro por 6 a 0. Depois, fizeram 2 a 0 na Tunísia e 1 a 0 na Austrália. O Paraguai, reforçado por Carlos Gamarra na defesa, desbancou a Itália no Grupo B e mostrou força já naquele momento, mas os italianos, que contavam com Andrea Pirlo e Daniele De Rossi, ficaram com a segunda vaga. A decepção ficou por conta de Portugal, que contava com Cristiano Ronaldo, mas foi o último colocado do Grupo D após ser derrotado por Costa Rica e Iraque, este último a grande surpresa do torneio.

Nas quartas de final, Tevez brilhou com três gols na goleada da Argentina sobre a Costa Rica por 4 a 0. O Iraque fez história ao derrotar a Austrália por 1 a 0 e chegar às semifinais. Nos outros jogos, a Itália superou Máli por 1 a 0 na prorrogação e o Paraguai parecia que venceria a Coreia do Sul com facilidade, mas levou dois gols no fim e segurou o 3 a 2 no sufoco.

Nas semifinais, Tevez abriu o caminho da tranquila vitória argentina por 3 a 0 sobre a Itália. Lucho e Mariano González fecharam o placar. Na outra partida, José Cardozo fez dois gols e garantiu o triunfo paraguaio por 3 a 1 sobre o Iraque, que mesmo assim estava em festa com a campanha realizada e com a possibilidade de conquistar a medalha de bronze.
Na final, disputada em 28 de agosto, um jogo truncado entre dois rivais sul-americanos colocava frente a frente a eficiência ofensiva da Argentina contra a segurança defensiva dos paraguaios, que tinham em Gamarra seu principal líder. Mais uma vez, Tevez decidiu, marcando o gol da vitória aos 16 minutos do primeiro tempo e garantindo o título do time comandado por Marcelo Bielsa. Na disputa pelo bronze, os italianos levaram a melhor sobre o Iraque.

FICHA TÉCNICA

Argentina 1×0 Paraguai
Local: Estádio Olímpico, em Atenas
Público: 41116 pagantes
Árbitro: Kyros Vassaras (Grécia)

Argentina: Lux, Heinze, Ayala e Coloccini; Mascherano, Rosales, Killy González, D’Alessandro e Lucho González; Tevez e Cesar Delgado (Clemente Rodríguez). Técnico: Marcelo Bielsa.
Paraguai: Barreto, Martínez, Manzur, Gamarra e Torres; Esquivel (Julio González), Enciso (Díaz), Giménez, Barreto (Cristaldo) e Figueiredo; Freddy Barero. Técnico: Carlos Jara Saguier.
Gol: Tevez (16/1º)

Classificação final: 1º Argentina, 2º Paraguai, 3º Itália, 4º Iraque, 5º Máli, 6º Coreia do Sul, 7º Austrália, 8º Costa Rica, 9º Gana, 10º México, 11º Marrocos, 12º Tunísia, 13º Japão, 14º Portugal, 15º Grécia, 16º Sérvia e Montenegro. 

VOLTAR AO INÍCIO