Federico Valverde recebeu críticas de alguns torcedores e fãs de futebol por sua falta em Álvaro Morata no fim da prorrogação da final da Supercopa da Espanha entre Atlético de Madrid e Real Madrid. Mas elas não foram corroboradas pelos técnicos das duas equipes. Notavelmente, Simeone o defendeu e até ofereceu palavras de conforto ao adversário.

Após a vitória do Real Madrid nos pênaltis, Valverde foi eleito o melhor jogador em campo pela organização oficial do jogo. Um prêmio natural, disse Simeone, exaltando a jogada providencial do meio-campista.

“O prêmio de melhor jogador teve a ver com aquela jogada. O Valverde venceu a final (para o Real Madrid). Aquela foi a jogada mais importante, provavelmente seria um gol. Eu lhe disse que ele fez o que tinha que fazer naquele momento, que todos fariam a mesma coisa e que ele não deveria se preocupar com isso”, revelou Cholo.

Comandante de Valverde, Zidane se disse feliz pelo prêmio individual recebido pelo jogador e também defendeu a decisão do meia. “No fim, ele fez o que tinha que fazer. É uma falta feia, mas precisava ser feita naquele momento. Ele fez bem. No fim, o importante é que ele se desculpou com o Morata, porque eles se conhecem muito bem”, opinou.

Aos dez minutos do segundo tempo da prorrogação, o Atlético de Madrid partiu em contra-ataque, e Morata foi lançado. Frente a frente com Courtois, era perseguido por Valverde, que não o alcançaria. O uruguaio então aplicou um carrinho para vermelho. Foi expulso, mas impediu o tento da vitória do Atleti. Na sequência, o Real venceu o Atlético nos pênaltis, por 4 a 1.

Um dos autores dos gols nas penalidades máximas foi Rodrygo. Em meio aos experientes Sergio Ramos, Luka Modric e Carvajal, foi o caçula da turma a bater – e também o que executou a melhor cobrança, com um chute forte, no ângulo superior esquerdo de Oblak.

Após a partida, Rodrygo revelou os interessantes bastidores da disputa, além de demonstrar a confiança de um líder da equipe em seu futebol.

“Quando eles estavam decidindo quem deveria bater, eu esperei um pouco, já que havia outros com mais experiência. Então, o Kroos disse que eu deveria bater um. Ele insistiu, dizendo: ‘O Rodrygo, o Rodrygo…’. Eu treino os pênaltis daquele jeito, mesmo que tenha subido um pouco mais do que como eu costumo bater. Esse é um dos meus melhores dias, eu sonhei com este momento, de conquistar um título com o Real Madrid”, declarou.

Por mais que a Supercopa da Espanha seja um torneio sem muita importância e que acabou com sua imagem ainda mais danificada ao mudar de regulamento, incluir quatro equipes, passar para janeiro e ter como sede a Arábia Saudita, os jovens Valverde e Rodrygo aproveitaram bem a oportunidade para acrescentar mais um ponto positivo a uma temporada de grande sucesso que cada um, à sua maneira, vive até aqui.

O uruguaio tem sido o gatilho de uma mudança de desempenho de toda a equipe, passando pelo meio de campo renovado por sua presença. O brasileiro, como o garoto de apenas 19 anos que chegou sem respeito excessivo aos adversários experientes, pronto para simplesmente jogar seu futebol – e empilhar gols no caminho.