Quando você se esquece dos salários monumentais e das decisões equivocadas, é possível criar um sentimento de piedade quanto a Arsène Wenger. Ver aquele que, em seu auge, foi um treinador genial se transformar em motivo de constantes chacotas. E, afinal, a derrota na decisão da Copa da Liga Inglesa tem lá sua dose de culpa do ‘professor’, mas não toda. Há um comodismo perceptível no Arsenal, que talvez reflita a falta de perspectivas com o técnico e os poucos puxões de orelha. Mas não dá para admitir uma postura frouxa de diversos jogadores em uma decisão que valia demais aos londrinos nesta temporada, e contra um Manchester City que esteve distante de seu melhor. Após o jogo, porém, o fardo recai sobre os ombros de Wenger, que também deu motivo para ser piada.

Depois do confronto, Wenger falou com a imprensa. E o que deveria ser uma queixa sobre a arbitragem soou mal para o francês, dando mais motivos para gozações. “Quando você perde um jogo como este, todos te questionam. Isso te aborrece, é claro, todas as vezes que acontece. Jogamos contra um bom time, que domina a Premier League. É muito difícil, você precisa dar 200%. É complicado para virar. O árbitro não deu o tempo suficiente nos acréscimos. Quando disse ao quarto árbitro por que não deu mais tempo, ele me respondeu: ‘Por que você quer mais tempo?’. Então eu respondi que não era seu papel julgar ou não meus motivos, mas dar o tempo”, declarou. Ficou parecendo que a própria arbitragem tirou uma onda com o comandante dos Gunners.

Além do mais, Wenger adotou uma postura protetora em relação aos seus jogadores diante da derrota. Até fez suas ponderações, mas não admitiu que o time esteve longe de exibir tudo o que pode. E preferiu manter suas críticas ao árbitro, especialmente sobre o gol de Vincent Kompany. Resta saber como foi a conversa com o elenco nos bastidores, que nem de longe deve se manter conivente com tamanha apatia.

“Acredito que tivemos um pouco de má sorte. Assisti de novo ao segundo gol. Foi importante ao jogo e, para mim, estava 100% impedido. Senti como se tudo acontecesse contra nós hoje. Eu não sei quem operou o VAR, porque é um mistério que não se tenha assinalado a infração”, apontou.

“Tivemos uma boa chance no início, muito fácil, e perdemos. Depois disso, cometemos um grande erro no primeiro gol. Nós controlamos seus ataques bem no primeiro tempo. Já no segundo, tivemos um começo ruim e tomamos um gol irregular. Depois, era demais para nós. Queria fazer uma mudança após o segundo tento, mas o jogo não parou e com o terceiro era tarde. No final, parabéns ao Manchester City, eles mereceram vencer”, complementou.

“Quando você perde um jogo e comete erros, precisa aceitar as críticas. É emocionalmente difícil depois do jogo, então você não quer entrar muito nas críticas. Quando você perde por 3 a 0, logicamente precisa defender melhor. Sinto que em partes do jogo defendemos bem e então perdemos a concentração. Contra times de qualidade, você acaba pagando por isso”, finalizou.

Sexto colocado na Premier League, o Arsenal está a dez pontos da zona de classificação à Liga dos Campeões, com um jogo a menos. Volta a entrar em campo na próxima quinta, enfrentando de novo o Manchester City, agora no Emirates. O grande objetivo de Wenger se transforma na Liga Europa. E se não vencê-la, esta será a pior temporada do treinador em Londres. Talvez a deixa para que sua trajetória com os Gunners se encerre.

 


Os comentários estão desativados.