Na batalha por uma vaga na mais desejada liga do mundo, o Aston Villa conseguiu sobreviver a uma longa batalha com o West Bromwich e vai à decisão do playoff da Championship. Jogando em casa, o West Brom venceu por 1 a 0 no tempo normal, empatou na prorrogação e, nos pênaltis, o Aston Villa é quem leva a vaga em vitória por 4 a 3. Com isso, os Villans mantêm o sonho do retorno à Premier League, depois do rebaixamento em 2015/16.

Depois de vencer em casa por 2 a 1, de virada, no jogo de ida da semifinal dos playoffs, o Aston Villa sofreu neste segundo jogo. O estádio The Hawthorns estava cheio, com 25.702 pessoas, que viram um mandante muito valente. O time tinha desfalques importantes, sendo o mais relevante deles o atacante Dwight Gayle, autor do gol do time no jogo de ida e que acabou expulso – e, portanto, suspenso. Hal Robson-Kanu também estava suspenso. Sobrou apenas Jay Rodrigues como opção no ataque.

Precisando vencer, o West Brom arrancou um gol aos 29 minutos do primeiro tempo. Mason Holgate cobrou lateral da direita para dentro da área e o zagueiro Craig Dawson raspou de cabeça para desviar e marcar: 1 a 0. Um gol crucial para o time, que sofre muito para marcar gols. A partir dali, o jogo ficou desenhado: o Aston Villa pressionando e o West Brom se defendendo. Tanto que o goleiro Sam Johnstone acabou sendo uma figura de destaque. Fez seis defesas importantes ao longo do jogo, sendo um dos responsáveis por manter o time no jogo.

O Aston Villa, por sua vez, esteve longe de render como se esperava. Teve dificuldades diante do bem armado West Brom em uma defesa vigorosa, que se segurou como pôde. O zagueiro Ahmed Hegazi, egípcio, fez uma partida primorosa. Do outro lado, os Villans tinham dificuldade. Jack Grealish foi mais uma vez o principal articulador do time, buscando o jogo e sendo quem mais tentou fazer algo. Ele, assim como o time, não foi brilhante, mas também brigou muito.

Outro destaque do Villa no jogo foi o também meio-campista John McGinn. Foi um jogador bastante participativo e chutou muito a gol – cinco no total. Tammy Abraham, no comando do ataque, desta vez não conseguiu fazer muita coisa. O West Brom ainda tinha algum fôlego, mas com a expulsão de Chris Brunt, aos 35 minutos do segundo tempo, com o recebimento do segundo cartão amarelo, restou ao West Brom se entrincheirar e tentar algo a partir da defesa.

O Villa martelou o quanto conseguiu, mas não foi capaz de vencer a defesa do West Brom, nem mesmo na prorrogação. Por isso, a decisão teve que ser nos pênaltis. Foi lá, na marca da cal, que brilhou o goleiro Jed Steer. Ele defendeu duas cobranças do West Brom, que acabaram sendo decisivas.

E olha que o goleiro do West Brom, Sam Johnstone, veio justamente do Aston Villa, a quem defendia ano passado, mas o seu conhecimento dos adversários não ajudou muito. Holgate foi o primeiro a cobrar e perdeu, com defesa de Steer. Hourihane marcou pelo Villa, colocando os visitantes em vantagem. O zagueiro Hegazi, bem no jogo, perdeu a sua cobrança, com defesa de Steer.

Jedinak, que entrou na prorrogação só para cobrar pênaltis – ele é um excelente batedor, inclusive foi cobrador da seleção australiana – cobrou e marcou pelo Villa. Adarabio marcou pelo West Brom wm seguida. Grealish marcou pelo Villa. Gibbs precisava marcar para manter o West Brom vivo – e marcou. Adomah tinha a chance de classificar o Villa,mas chutou por cima do gol. Morrison, então, cobrou pelo West Brom e marcou. Restava uma cobrança ao Aston Villa. Tammy Abraham, que cobrou pênalti no primeiro jogo, foi o responsável. Bateu, marcou e saiu para o abraço: Villa 4×3 diante do West Brom.

Abraham é um dos pontos altos do Villa na campanha. Emprestado pelo Chelsea, o atacante, de 1,90 metro, de 21 anos, deve passar a ter algum espaço no time de Stamford Bridge, já que os Blues não poderão contratar na próxima janela. O Villa sobrevive a uma batalha longa e cansativa diante de um adversário que jogou a vida, se defendeu bem, mas não sobreviveu aos pênaltis.

“Há obviamente muita sorte envolvida, mas uau, nós treinamos pênaltis, então eu acho que nós enfrentamos 100 cobranças por dia nos últimos dias”, disse o goleiro Jed Steer, na saída de campo. “que goleiro – eu perdi alguns pênaltis contra ele. Eu estou acostumado a pressão, eu gosto da pressão, disse Abraham, autor do gol no último pênalti do Villa.

“Eu não sou tão emotivo, para ser honesto. Nós trabalhamos muito duro nos pênaltis. No dia que soubemos que estávamos nos playoffs, nós começamos a trabalhar pênaltis, estamos trabalhando isso há quatro semanas”, contou o técnico do Aston Villa, Dean Smith.

“A torcida tornou isso difícil com a atmosfera, mas no final eu senti que nós saímos como vencedores merecidos. Não é bom chegar a Wembley e falhar no último obstáculo, então dedos cruzados. Todos nós estamos muito famintos e temos boas pernas em nós”, disse Jack Grealish.

O Aston Villa, um time absolutamente tradicional, campeão inglês sete vezes (a última em 1980/81) e campeão europeu (em 1981/82), o time de Birmingham tentará o acesso em um duelo com o vencedor de Derby County x Leeds, que jogam nesta quarta-feira. Tem tudo para ser uma grande batalha, mais uma vez.