Ásia/OceaniaMundial de Clubes

Jogador de futsal brilha na final, Auckland é campeão da Oceania e vai ao Mundial

Um dos times que tem o passaporte carimbado quase todo ano para jogar no Mundial de Clubes no fim do ano é o representante da Oceania. Pela sexta vez consecutiva, o Auckland City se consagrou campeão continental, na final contra o Team Wellington, também da Nova Zelândia, com uma vitória por 3 a 0.

LEIA TAMBÉM: Nicky Salapu, o goleiro que se tornou herói nacional mesmo depois de tomar 31 gols da Austrália

O grande nome da final foi Micah Lea’alafa, que marcou dois gols e ainda fez o passe para outro. O placar esconde que o jogo reunia uma rivalidade e uma dificuldade grande. O Team Wellington se sagrou campeão da liga neozelandesa no dia 10 de março vencendo justamente o Auckland City. E mais: na casa do adversário, depois de perder o jogo de ida da final por 2 a 1. No estádio QBE, o Team Wellington venceu por 4 a 2 e levantou a taça pela primeira vez na sua história.

Por esse confronto anterior, o jogo deste sábado tinha uma certa tensão. O local era o mesmo, o estádio QBE, em Auckland. Só que desta vez, o que aconteceu foi que o Auckland impôs mais uma derrota ao rival, que também foi vice-campeão da Champions League da Oceania no ano anterior.

O primeiro gol saiu logo a um minuto de partida. Fo em uma grande jogada do habilidoso Micah  Lea’alafa, pela direita, e um chute que o goleiro não conseguiu defender. A vantagem logo cedo no placar ajudou muito o maior campeão da Oceania, que tentava o seu oitavo título, que seria o sexto consecutivo. A vantagem no placar, aliás, não diminuiu o ritmo do Auckland, que seguiu tendo as melhores chances.

O segundo tempo teve Micah Lea’alafa novamente infernizando a defesa do Team Wellington. O jogador das Ilhas Salomão driblou dentro da área e tocou para Clayton Lewis finalizar livre, quase na marca do pênalti, e ampliar. No final do jogo, Micah Lea’alafa novamente fez a jogada pela direita e cruzou. Ryan De Vries cabeceou para trás e o português João Moreira tentou uma bicicleta. Só que ele pegou mal na bola, que sobrou para Lea’alafa chutar cruzado e definir o placar em 3 a 0. Foi o oitavo título do Auckland City, grande campeão do continente.

Antes do Mundial de Clubes, Copa do Mundo de Futsal
Micah Lea'alafa, jogador do Auckland City e da seleção das Ilhas Salomão, tanto no campo quanto no futsal (Foto: divulgação)
Micah Lea’alafa, jogador do Auckland City e da seleção das Ilhas Salomão, tanto no campo quanto no futsal (Foto: divulgação)

Curiosamente, Micah Lea’alafa é jogador não só de futebol de campo, mas também de futsal. Ele defende as Ilhas Salomão no campo e nas quadras. Até o Mundial de Clubes, em dezembro, o atacante tem um calendário cheio. Primeiro, irá defender as Ilhas Salomão na Nations Cup, O torneio será realizado na Papua Nova Guiné entre 28 de maio e 1º de junho. As Ilhas Salomão tentarão o título inédito contra a sempre favorita Nova Zelândia.

A competição, além de ser um título continental, serve também como parte das Eliminatórias para a Copa do Mundo. As Ilhas Salomão estão no Grupo B, junto com Nova Zelândia, Fiji e Vanuatu. A estreia das Ilhas Salomão, aliás, será contra este último. Os dois primeiros colocados de cada grupo participarão da fase final não só do torneio continental, mas também das Eliminatórias da Copa no próximo ano. Serão dois grupos de três times, com um classificado em cada para decidirem a final. O vencedor ganha o direito de jogar a repescagem, que será contra a Concacaf.

Só que Micah Lea’alafa ainda tem um compromisso depois da Nations Cup pela sua seleção. Em setembro, ele será um dos integrantes da seleção do seu país na Copa do Mundo de futsal. Ele foi um dos que ajudou a seleção a se classificar no torneio continental, em fevereiro.

A liga neozelandesa volta a ser disputada em novembro e em dezembro será a vez de representar o Auckland City no Mundial mais uma vez.

Veja os gols da final da Champions League da Oceania:

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo