O novo técnico do Manchester United falou pela primeira vez. Pode chamar também de queridinho da torcida. Ole Gunnar Solskjaer se consagrou nos 11 anos que defendeu o Manchester United como um super substituto, um jogador que tinha o mérito de vir do banco várias vezes para marcar gols importantes. Aos 45 anos, o “assassino com cara de bebê” quer resgatar o orgulho e a identidade do clube – o que, por si só, já mostra um pouco do que era o problema do técnico anterior.

LEIA TAMBÉM: Para relembrar: Os gols de Solskjaer em seus tempos como jogador do Manchester United

Suas primeiras palavras como técnico do clube que mais defendeu na vida foram à MUTV, o canal de televisão do clube. E foi perguntado sobre qual deveria ser a identidade do clube. “Futebol ofensivo, dar chance aos jogadores jovens e vencer. O maior clube do mundo, os melhores torcedores do mundo, os melhores jogadores do mundo”, disse o ex-jogador.

“Quando eu marquei o gol na minha estreia, Eric [Cantona] estava lá e foi um sentimento brilhante. Você se sente confortável em Old Trafford e você quer que os jogadores se sintam em casa lá também. Se trata dos jogadores terem orgulho do seu desempenho e os torcedores terem orgulho do seu time”, afirmou Solskjaer.

“É ótimo estar de volta para casa. Eu prometo que darei tudo que eu puder para levar este clube de volta ao sucesso. Eu prometo que darei tudo que tenho para levar este clube de volta ao sucesso”, afirmou o novo treinador.

Entre os seus maiores desafios neste curto período de tempo à frente do Manchester United será o desempenho do time na Champions League. Os Red Devils enfrentarão o Paris Saint-Germain, que tem um dos ataques mais letais do mundo com Neymar, Kylian Mbappé e Edinson Cavani.

LEIA TAMBÉM: Como foi a experiência anterior de Solskjaer como técnico na Premier League

“Eu estava assistindo ao sorteio na segunda sem ter a menor ideia do que estava prestes a acontecer”, contou Solskjaer. “O PSG é uma chance fantástica. Sob as luzes de Old Trafford. O técnico [Sir Alex Ferguson] falou sobre essas noites. Essas são as noites que o United vem à tona”.

Se Mourinho não ficou muito conhecido no seu tempo de Manchester United por dar tempod e jogo aos jogadores jovens, Solskjaer promete fazer isso e resgatar a tradição do clube nesse sentido, especialmente com Matt Busby e Alex Ferguson. O próprio ex-atacante citou isso na entrevista. “Matt Busbny disse que se você é bom o bastante, então você tem idade o suficiente e eu quero manter isso”, afirmou o norueguês

O contrato curto, apenas até o final da temporada, com uma espécie de empréstimo do Molde, clube com o qual tem contrato, não preocupa Solskjaer. “Estou apenas aproveitando”, disse. “São seis meses. Estou de volta para casa. Eu serei eu mesmo. O clube está gerindo um processo para encontrar o próximo técnico, então eu serei eu mesmo no meio tempo com Mick, Kieram e Michael [que serão os assistentes]. Nós faremos os jogadores curtirem seu futebol novamente”.

“Eu tenho 300 a 400 jogos como técnico principal. Eu estou confiante. Eu ganhei a liga, eu ganhei duas copas, eu fui rebaixado. A questão é gerenciamento de pessoas. Se trata de gerir jogadores, funcionários e de tirar o melhorar de cada um”, disse. “O chefe [Alex Ferguson] será sempre o melhor nisso. Eu inspiro o meu estilo de treinador nele. Ele é a maior influência, mas nós somos diferentes”, explicou Solskjaer. “Eu tenho uma personalidade diferente. Eu gosto de falar com as pessoas, eu gosto de me envolver com as pessoas. Eu quero ver as pessoas se expressarem. Isso me faz feliz”.

Em termos práticos, Solskjaer revelou um pouco dos planos para as próximas semanas e deve rodar o elenco. “Todo mundo ganhará uma chance. Todo mundo começa com um prato limpo. Você tem que começar de algum lugar. Eu vi alguns dos últimos jogos. Você escolhe um time agora e segue em frente. Todos ganharão sua chance”, afirmou o técnico.

LEIA TAMBÉM: Como o United se reconstruiu pós-Busby e os desafios de fazer o mesmo depois de Ferguson

“A quantidade de jogos que está vindo não é um problema porque nós temos jogadores de qualidade e eles terão uma chance de mostrar que eles são jogadores do Manchester United. Nós estamos em um negócio de resultados e nós queremos vencer jogos. É o meu trabalho ajudar os jogadores. Nós queremos vê-los jogar o futebol que eles podem jogar”.

São palavras bastante animadoras depois de dois anos e meio de José Mourinho no comando do time, com palavras bem pouco animadoras tanto para a torcida quanto para os jogadores. Resta saber se as palavras de Solskjaer irão reverberar no elenco e no que se verá em campo, com o futebol apresentado e, como ele mesmo disse, os resultados.

A forma como se chega ao resultado é mais importante, mas os resultados não podem ser esquecidos, ainda mais para um clube tão longe da liderança e mesmo do chamado top 4, a zona de classificação para a próxima Champions League. O foco tem que ser recuperar o futebol dos jogadores e jogar mais futebol. Com isso, ganhar mais jogos.

Há quem acredite que Solskjaer tem uma chance de ser o treinador efetivo também na próxima temporada. Talvez isso passe por resultados, como Roberto Di Matteo no Chelsea em 2012, que assumiu no lugar de André Villas-Boas e transformou o time em campeão da Champions. No caso de Solskjaer, mais do que um resultado espetacular como esse – que seria uma imensa surpresa -, o mais importante será a forma como o time vai se apresentar em campo, como vai jogar, se terá ideias, se os jogadores, caros e badalados, irão render mais. Este pode ser o cartão de visitas para que os dirigentes saibam que ele pode ser mais que um técnico tampão. Porque neste momento da apresentação, é isso que ele é.