O Boca Juniors tem um excelente retrospecto em casa na Copa Libertadores. Em 116 jogos, venceu 76, empatou 21 e perdeu apenas nove. Quatro deles para brasileiros, de quem normalmente é algoz em disputas no mata-mata. Saiba como e quando foram essas derrotas:

Boca Juniors 1×2 Santos (1963)

Em sua primeira final de Libertadores, o Boca enfrentou o já consagrado Santos de Pelé, então campeão do torneio. Perdeu os dois jogos, o segundo por 2 a 1 na Bombonera. Os xeneizes abriram o placar com José Sanfilippo, artilheiro da competição com sete gols, no primeiro minuto do segundo tempo. Coutinho, aos quatro, e Pelé, aos 37, sacramentaram a virada.

Boca Juniors 0x1 Alianza Lima-PER (1966)

Na primeira fase da Copa Libertadores de 1966, os times argentinos, peruanos e venezuelanos se enfrentaram em um grupo de seis equipes. E o Boca Juniors tropeçou novamente em casa ao perder por 1 a 0 para o Alianza Lima no dia 10 de março daquele ano. O gol da vitória foi marcado por Viktor “Pitín” Zegarra, ídolo do clube. Outro destaque da partida foi o goleiro Rodolfo Bazán, alvejado pela torcida do Boca com moedas e cigarros acessos.

Boca Juniors 0x2 Independiente-ARG (1966)

Após a derrota para o Alianza Lima, o Boca Juniors encarou o Independiente pela segunda fase no dia 8 de abril daquele ano. Foi superado com tranquilidade por 2 a 0. O ponta-direita brasileiro João Cardoso, ex-Grêmio, abriu o placar, e o atacante da seleção argentina, Aníbal Tarabini, fechou a conta.

Boca Juniors 1×2 Cruzeiro (1994)

No dia 16 de março de 1994, o Cruzeiro foi a Buenos Aires e não se intimidou com a atmosfera de La Bombonera: venceu por 2 a 1, com gols de Paulo Roberto e Roberto Gaúcho, além de uma atuação espetacular do goleiro Dida. No ataque cruzeirense, figurava Ronaldo, o “Fenômeno”, que já era apontado como uma grande promessa do futebol brasileiro.

Boca Juniors 1×2 Vélez Sarsfield-ARG (1994)

A Copa Libertadores de 1994 não traz boas lembranças ao torcedor do Boca. Além da derrota para o Cruzeiro em La Bombonera, o clube tomou um histórico 6 a 1 do Palmeiras no Parque Antártica e foi superado novamente em casa pelo Vélez Sarsfield, que viria a ser campeão, no dia 23 de março. O Fortín venceu por 2 a 1, com gols marcados por Omar Asad e José Basualdo.

Boca Juniors 0x1 Cruz Azul-MEX (2001)

Na final da Libertadores de 2001, o Boca Juniors havia vencido o jogo de ida contra o Cruz Azul no México e tudo indicava que conquistaria o título sem sofrimento. Mas os mexicanos endureceram a partida, venceram por 1 a 0 no tempo normal com um gol de Antonio Palencia nos acréscimos do primeiro tempo. Na decisão por pênaltis, porém, vitória xeneize por 3 a 1.

Boca Juniors 0x1 Paysandu (2003)

O Paysandu contabiliza a vitória contra o Boca na Bombonera como um dos maiores feitos de sua história. O triunfo por 1 a 0 veio com um gol de Iarley, e nem mesmo as expulsões do volante Vanderson e do centroavante Robson (Robgol) impediram a façanha.

Boca Juniors 0x1 Defensor-URU (2009)

Nas oitavas de final da Libertadores de 2009, o Boca Juniors havia empatado com o Defensor por 2 a 2 em Montevideo. Tudo indicava que venceria em casa no dia 21 de maio, mas uma inesperada derrota por 1 a 0 decretou a eliminação do time xeneize, que contava com nomes como Rodrigo Palacio e Martín Palermo no elenco.

Boca Juniors 1×2 Fluminense

Na segunda rodada da Libertadores de 2012, o Boca Juniors recebeu o Fluminense na Bombonera no dia 7 de março e foi surpreendido: perdeu por 2 a 1, com gols de Fred e Deco. A vingança veio nas quartas de final, com os xeneizes eliminando o Flu com uma vitória e um empate.