Cruzeiro e Internacional formaram uma das maiores rivalidades nacionais durante a década de 1970. Que a distância entre Belo Horizonte e Porto Alegre não permitisse uma oposição mais ferrenha, os sucessos de ambos os esquadrões naquele período moldaram o caráter histórico de vários embates. Ambas as torcidas, afinal, possuem suas memórias indeléveis do período. Foi em cima dos mineiros que o Inter conquistou o Brasileiro de 1975, seu primeiro título nacional. Apenas quatro meses depois, foi em cima dos gaúchos que o Cruzeiro viveu sua vitória mais fantástica rumo ao título da Copa Libertadores de 1976.

De maneiras diferentes, os confrontos ocupam o imaginário de ambos os clubes. No Beira-Rio, em uma partida marcada pelo equilíbrio e pelas boas defesas dos goleiros, o Internacional contou com um tento de Figueroa para garantir a vitória por 1 a 0 e erguer a taça do Brasileirão na final realizada em jogo único. Por mais que os cruzeirenses contassem com um timaço, não dava para negar os méritos da equipe de Rubens Minelli, pavimentando o caminho para o bicampeonato nacional. O veterano Manga seria outro herói marcante, sobretudo pelos milagres operados contra os chutes potentes e cheios de efeito desferidos por Nelinho.

Todavia, a ambição dos colorados na Libertadores terminou freada pelo próprio Cruzeiro. Em tempos nos quais o campeão e o vice do Brasileirão ficavam no mesmo grupo do torneio continental e apenas o líder avançava ao triangular semifinal, a Raposa precisou se impor desde o primeiro encontro. E ele aconteceu em um domingo fantástico no Mineirão, quando as redes balançaram nove vezes. Joãozinho estava impossível e Palhinha era outro a fazer partida grandiosa, apesar de sua expulsão nos minutos finais. No momento em que o cruzeirense recebeu o vermelho, após acertar Figueroa, o placar ainda mantinha o empate. Coube a Nelinho ter sua revanche particular contra Manga e, em cobrança de pênalti, garantir a vitória por 5 a 4 a cinco minutos do fim. Seria uma injeção de confiança rumo à consagração sul-americana, com direito a triunfo também no Beira-Rio por 2 a 0.

Para celebrar o Cruzeiro x Internacional das semifinais da Copa do Brasil, relembramos brevemente essa história, com a maior vitória de cada clube na época do “clássico nacional”. Abaixo, os relatos do Jornal dos Sports e também os vídeos da época. Clique com o botão direito do cursor e em ‘abrir a imagem em nova guia’ para ampliar a visualização:

Inter 1×0 Cruzeiro, final do Brasileirão 1975

Cruzeiro 5×4 Inter, fase de grupos da Libertadores 1976

Bônus

Vale conferir também os perfis escritos pela revista Placar sobre dois personagens decisivos naqueles duelos: o goleiro Manga, após a final do Brasileirão, e o ponta Joãozinho, antes do primeiro embate pela Libertadores.